quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Veja a decisão judicial que afastou o prefeito de Canaã dos Carajás por improbidade administrativa

Jeová Andrade é afastado por 180 dias e tem bens bloqueados




O Ministério Público pediu e o juiz acatou

O juiz Lauro Fontes Junior acolheu os argumentos do Ministério Público e determinou, nesta quarta-feira, 28, o afastamento do prefeito de Canaã dos Carajás, Jeová Gonçalves de Andrade, por irregularidades na contratação de serviços de um escritório de advocacia. 

Bloqueio dos bens

O juiz também determinou o bloqueio de bens do prefeito até o limite de R$ 1.479,127,28. O gestor tem 15 dias para apresentar defesa.

Fraudes 

Segundo os autos, o prefeito contratou um escritório de advocacia por R$ 1.479,127,28, com a finalidade real montar uma estrutura ilegal para promover fraudes em licitações. 

Falta de transparência 

Na decisão o juiz constata que a Prefeitura não prestou informações sobre o uso do dinheiro público e nem deu acesso a informações orçamentárias, o que está em descompasso com o artigo 48 da Lei de Responsabilidade Fiscal (Leia mais AQUI no TJPA).


Veja a decisão na íntegra








A Agência Nacional de Mineração (ANM), antigo DNPM, estuda mudanças na guia de recolhimento da CFEM para evitar a "sonegação" das mineradoras

As mineradoras e a VALE não estão pagando a nova CFEM de 3,5% para os municípios brasileiros


O buraco da mineradora VALE em Parauapebas (Carajás)


Municípios pedem que ANM (DNPM) faça a mineradora VALE cumprir a LEI Lei 13.540/2017

Os prefeitos dos municípios mineradores estiveram em Brasília e denunciaram que as empresas continuam se recusando a recolher os 3,5% de CFEM, como dispõe a Lei 13.540/2017. 

Em reunião com o presidente da ANM (DNPM) os prefeitos ouviram que o órgão estudará medidas legais para evitar a "sonegação".

Flagrante ilegalidade

As empresas mineradoras que não recolheram os 3,5% estão em flagrante ilegalidade, disse o presidente da ANM (DNPM) diante das denúncias de "sonegação".

Mudanças na guia de recolhimento

O setor jurídico do órgão poderá mudar a guia de recolhimento e fixar uma alíquota única de 3,5% para o minério de ferro, evitando assim que as empresas coloquem uma alíquota menor, deixando de cumprir a lei para depois recorrerem ao judiciário e protelarem o pagamento dos valores corretos.

Os municípios poderão fiscalizar as mineradoras 

A Agencia Nacional de Mineração – ANM - ainda não foi regulamentada o que deve ocorrer ainda  neste mês de março, depois disso é que definirá uma agenda no sentido de promover a capacitação dos servidores dos  órgãos de fiscalização dos municípios mineradores.

A partir da edição dos decretos de regulamentação da agência os municípios poderão fiscalizar a exploração mineral nos seus respectivos territórios, mediante a assinatura de um termo de cooperação/convênio com a ANM - Agência Nacional de Mineração.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

MARANHÃO: Flávio Dino lidera as pesquisas eleitorais e já paga o maior salário dos professores no Brasil

Enquanto o Pará vive a realidade das "chacinas" e tragédias ambientais sob o rejeitado Jatene, no vizinho Maranhão, Flávio Dino é favorito nas pesquisas eleitorais e vai revolucionando a realidade da educação no estado



Flávio Dino faz a diferença no Maranhão

A situação social do Maranhão sempre foi muito dramática, o estado ainda tem os piores índices sociais do país, essa realidade foi forjada por décadas de descaso e abandono, levará muito tempo para ser modificada, mas FLÁVIO DINO não se lamenta e trabalha incansavelmente para mudar isso, a forma caótica de gerir os recursos públicos do estado adotada nos últimos 60 anos pelo clã dos Sarney é coisa do passado. 

Em menos de 4 anos, Flávio Dino mudou drasticamente a realidade do povo maranhense.

Educação - professores tem o melhor salário do Brasil, desde janeiro de 2017

Não se muda uma décadas de atraso político e social como o vivido pelo estado do Maranhão sem prestigiar os professores e investir na educação.

Com Flávio Dino, o Maranhão já paga melhor salário de professores no Brasil com R$ 5.398,26, maior que o Distrito Federal, que antes ocupava o primeiro lugar (https://www.youtube.com/watch?v=-htdW16wfcg).

Desde maior de 2017 que o estado já paga o maior salário de professor no Brasil, podendo chegar a 7.215,48.




Infra-estrutura

Maranhão e suas estradas estaduais antes de 2014 e passa hoje percebe o quanto a realidade mudou.

Várias estradas que eram intransitáveis estão completamente reformadas, atraindo investimentos em diversas áreas, mas principalmente melhorando a vida dos moradores de cidades que antes viviam isoladas.

Diferente de Jatene

O governador do Maranhão é o oposto de Jatene, no vizinho Pará, onde o estado está aos cacos e mesmo assim o governador não cansa de conceder isenções fiscais, tipo a dada a CERPASA e a HYDRO/VALE, no Maranhão, Flávio Dino fez diferente e mandou rever isenções criminosamente concedidas pela família Sarney para várias empresas.

Ao invés de dar dinheiro pare empresários ricos, via isenções fiscais, como faz JATENE, o governador do Maranhão está mudando a realidade do seu estado e investindo os recursos principalmente na educação.

Flávio Dino lidera pra o governo do estado

Na primeira pesquisa eleitoral de 2018, registrada no TRE, para o governo do Maranhão, divulgada no dia quinta-feira (15), pela TV Difusora de São Luís,  o atual governador Flávio Dino (PCdoB) tem mais do que o dobro das intenções de voto de sua principal concorrente, a ex-governadora Roseana Sarney. A pesquisa do Instituto DataIlha mostra que ele teria 62,39% dos votos válidos, contra 29,15% da adversária. 

Pesquisa eleitoral causa desespero na família Sarney 

O desespero é tão grande que José Sarney, o chefe do clã familiar que dominou o Maranhão nos últimos 60 anos, até Flávio Dino derrotá-lo em 2014, mudou seu domicilio eleitoral, trouxe de volta do Amapá, por onde se elegeu senador várias vezes. 

José Sarney deve tentar uma vaga ao senado, para evitar uma derrota total nas eleições e assistir o ocaso do domínio familiar que ele infringiu ao Maranhão desde à década de 50 do século passado.

Dados da pesquisa citada

Registrada no TRE-MA com o número 06345/2018, a pesquisa do Instituto DataIlha ouviu 2.137 eleitores em 37 cidades do Maranhão de todas as regiões do estado entre os dias 8 e 9 de fevereiro, pouco antes do Carnaval. A margem de erro é de 3,2% para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Pedreiro toma posse como deputado estadual pelo PSOL no Ceará

Crédito da foto:Camila Chaves / Mandato Nestor Bezerra

Pedreiro faz história no Ceará

O operário da construção civil Nestor Bezerra tomou posse, nessa quinta-feira (22), como deputado estadual no Ceará pelo PSOL. Ele é suplente de Renato Roseno, que se licenciou do mandato por 120 dias.

A simbologia do momento não poderia ser mais forte: é apenas a segunda vez na história da Assembleia Legislativa do estado que alguém da profissão assume o cargo. A primeira foi em 1947, com José Marinho Vasconcelos, do Partido Comunista Brasileiro (PCB).

Quem é Nestor Bezerra

Pedreiro de profissão, Nestor Bezerra nasceu em 15 de setembro de 1967, no município de Barbalha (CE). Aos 18 anos, começou a trabalhar na construção civil. Sua militância política foi iniciada em Fortaleza, há mais de 25 anos, por meio da luta sindical em defesa dos direitos dos trabalhadores de sua categoria e da militância político-partidária.

Em sua fala de posse, Bezerra afirmou a disposição de luta do mandato contra o desmonte de Temer e contou um pouco de sua história. Assista:

Tragédia anunciada: O Ministério Público que não fiscalizou em Barcarena também nada faz em Parauapebas

Diante da tragédia de Barcarena (PA), o governo de Parauapebas (PA) deve instituir grupo de trabalho para analisar todas as licenças ambientais da mineradora VALE no território municipal

Com a suspeita de negligência do governo Jatene, via secretaria de meio-ambiente, nas licenças ambientais concedidas para a Hydro/VALE - o município de Parauapebas precisa agir urgentemente e auditar todas as "declarações de conformidades" emitidas pelo governo local, especialmente as assinadas no governo do ex-prefeito Valmir da Integral



Barragens e captação d'água em Parauapebas - esperando a tragédia

Frente a atuação da mineradora VALE em Parauapebas é imprescindível e urgente que o governo municipal crie um grupo de trabalho, em parcerias com a sociedade civil, com o Ministério Público, com o legislativo para fazer um levantamento de todas as licenças ambientais outorgadas para a VALE no território do município, no sentido de reavaliar e instruir as "declarações de conformidade" emitidas em favor da mineradora, notadamente aquelas elaboradas pelo governo do ex-prefeito Valmir da Integral.

Em Parauapebas a tragédia é questão de tempo, mas não há fiscalização do Ministério Público e nem de ninguém nas estruturas da mineradora VALE nem na escandalosa outorga de captação d'água.

Tucanos e MP - os responsáveis pelo desastre da Hydro

O que precisa ser apurado e com rigor é o aparelhamento ideológico do Ministério Público aos interesses políticos do PSDB e seus aliados tipo a mineradora VALE, muda a unidade da federação e o roteiro de compadrio é o mesmo, seja no Pará, seja em São Paulo ou no Paraná - nos reinos do tucanistão o que prevalece é a OMISSÃO.

Operando sem licença ambiental

A informação de que a HYDRO/VALE opera sem licença ambiental precisa ser apurada com rigor.

Segundo o advogado Ismael Moraes, "a Norsk Hydro está em flagrante delito de graves crimes ambientais, e, ainda, em conjunto com a Secretaria de Estado de meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), construiu um arcabouço de fraudes ao obter licenciamento ambiental para destruir uma grande floresta, aterrar nascentes de rios e igarapés e matar a fauna, suprimindo as relações sociais das pessoas que ali habitam com o meio ambiente. Moraes diz que a Hydro fez isso plenamente consciente, tanto que utilizou o fato de ser Área de Proteção Ambiental para expulsar famílias tradicionais, que antes habitavam dentro da mata" (LEIA aqui).

Dominado por tucanos

Quem no Ministério Público do Pará, dominado por tucanos, se atreverá a romper o compadrio, correndo o risco de ser afastado, como ocorreu com o Nelson Medrado, o então chefe do GAECO.

Não é aceitável que um órgão com tanta responsabilidade constitucional, que nem o MP, tenha sido omisso em Barcarena e permaneça inerte em Parauapebas diante da poderosa mineradora Vale e suas empresas "combinadas".


Autoridades do governo Jatene foram avisadas e nada fizeram

Todos do governo Jatene foram avisados do iminência do desastre em Barcarena, nada fizeram, ainda assim estão todos soltos, o Ministério Público do Pará ainda não pediu a prisão de nenhum deles (Leia AQUI).

sábado, 24 de fevereiro de 2018

A HYDRO é a antiga ALUNORTE da mineradora VALE - ambas atuam em associação, inclusive nas tragédias

Samarco e Hydro - as filhotas da mineradora VALE e suas tragédias 







"Acordo entre Vale e a norueguesa Hydro cria gigante mundial do alumínio

Parceria de quase 40 anos se consolida com a transferência do controle de Paragominas, Alunorte, Albras e CAP, e a Vale passa a deter 22% das ações da Hydro.
maio 2, 2010
A empresa norueguesa Norsk Hydro ASA, terceira maior fornecedora mundial de alumínio, anunciou hoje, em Oslo, na Noruega, a assinatura de um acordo de troca de ações com a brasileira Vale, com quem mantém parceria há quase de 40 anos. A operação inclui a transferência do controle de Paragominas, uma das maiores minas de bauxita do mundo, 91% de participação na refinaria de alumina Alunorte, 51% na fábrica de alumínio Albras e 81% na futura refinaria de alumina CAP. Com esse acordo, a Hydro, que já detinha 34% de participação na Alunorte e 20% na CAP, assegura o suprimento de bauxita para sua produção pelos próximos 100 anos e consolida sua parceria com a Vale no mercado brasileiro.
 A Vale, com esta operação, transferirá para a Hydro 60% de sua participação em Paragominas, 57% da Alunorte, 51% da Albra e 61% do projeto da futura refinaria de alumina CAP, recebendo em troca US$ 1,1 bilhão em dinheiro e 22% das ações ordinárias da Hydro, A Hydro também assumirá uma dívida líquida de US$ 700 milhões. Antes da transação, a Hydro já detinha 34% da Alunorte e 20% na CAP.
A Hydro passa a ter o direito de adquirir os 40% restantes do capital da Paragominas em duas parcelas, em 2013 e 2015 respectivamente, contra um pagamento de US$ 200 milhões cada parcela. No total, cerca de 3.600 empregados da Vale serão assumidos pela Hydro com a transação, representando um significativo aporte de competência, conhecimento e talento nas operações de bauxita, alumina e alumínio. 

A Vale não poderá aumentar sua participação na Hydro além desse percentual, e manterá sua participação por pelo menos dois anos. Após esse período, se compromete a não vender ações que totalizem mais de 10% do capital da empresa para quaisquer compradores, individuais ou em grupo. Parte da operação e dos futuros investimentos da empresa no Brasil será financiada por novo aporte de capital a ser anunciado pela Hydro.
Os detalhes técnicos do acordo estão sujeitos à aprovação por assembléia geral dos acionistas da Hydro, à permissão dos parceiros nas joint ventures negociadas com a Vale, assim como a aprovações regulatórias relacionadas à operação. Mesmo assim, a Hydro considera que os riscos regulatórios associados à transação são limitados.
A finalização desta transação com a Vale é esperada para o último trimestre de 2010.
“Este acordo leva a Hydro para um novo patamar no cenário da indústria de alumínio global”, celebra Svein Richard Brandtzaeg, presidente e CEO da Hydro. “A operação vai assegurar o fornecimento de bauxita e alumina para nossas operações, melhorando significativamente nossa competitividade e tornando-nos financeiramente mais robustos e bem posicionados para crescer, tanto internacionalmente como na Noruega. A Vale é altamente respeitada por sua preocupação social e ambiental e seu compromisso de transformar recursos minerais em desenvolvimento sustentado, e a Hydro vai continuar a crescer mantendo esses padrões”, afirma.

As operações

Paragominas é a terceira maior mina de bauxita do mundo, com capacidade de produção da ordem de 9,9 milhões de toneladas anuais. O projeto de expansão previsto para atender a demanda da futura refinaria CAP vai aumentar essa capacidade para 15 milhões de toneladas.
Alunorte é a maior refinaria de alumina do mundo, com capacidade de produção de 6,3 milhões anuais. A Hydro já detinha 34% da Alunorte e vai aumentar sua participação para 91% com esta operação.
Albras é uma fábrica de alumínio que opera com energia hidrelétrica, com capacidade anual de 455 mil toneladas. Com a transação anunciada, a Hydro passará a deter 51% das ações.
Outras licenças de exploração  de bauxita da Vale também fazem parte da negociação, além da garantia de compra de quase toda a produção de bauxita a qual a Vale tem direito na MRN, empresa cuja participação acionária da  Hydro é de 5%. A carteira de contratos de venda de alumina também foi incluída.
O projeto CAP é uma refinaria de alumina em implantação, com capacidade anual de produção de 1,86 milhão de toneladas e potencial de expansão de até 7,4 milhões de toneladas, abastecida principalmente por Paragominas. A Hydro já detinha 20%  da CAP, e passará a controlar 81% com essa operação.

A Hydro

A Hydro, fornecedora mundial de alumínio e produtos de alumínio, é uma empresa norueguesa fundada em 1905 e está presente em 40 países dos cinco continentes. Com 19 mil colaboradores, registrou, em 2009, faturamento de 67,409 bilhões de coroas norueguesas.
Com mais de 85 anos de experiência como produtora de metais leves, a Hydro produz alumina no Brasil e na Jamaica e produz alumínio em: Austrália, Canadá, Alemanha, Noruega e Eslováquia. É líder mundial no segmento de reciclagem de metais e segunda maior produtora de energia hidrelétrica da Noruega, com 17 usinas no país e produção total de 7,897 GWh.
A Hydro também inaugurou em 12 de abril passado a maior fábrica de alumínio construída em uma etapa única, em joint venture com a Qatar Petroleum. A indústria, com capacidade de produzir 600 mil toneladas anuais que podem chegar a 1,2 milhão de toneladas, vai atender principalmente a demanda dos mercados em crescimento na Ásia, no Oriente Médio e nos Estados Unidos e teve investimentos de US$ 5,6 bilhões. 
A empresa está no Brasil há quase 40 anos e além das parcerias com a Vale desde 1974, mantém uma fábrica em Itu (SP), onde desenvolve tubos de precisão para refrigeração, sistemas construtivos e soluções de alumínio para a indústria automotiva, além de operação de reciclagem de alumínio."

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

GOLPE NA CFEM: Nos bastidores, a mineradora VALE não quer pagar a nova alíquota e recorre ao "vampirão da Tuiuti" contra os municípios brasileiros

Michel Temer, o "vampirão da Tuiuti", pode editar decreto a pedido da Vale contra os municípios brasileiros, reduzindo a alíquota da CFEM



A nova CFEM está ameaçada pelo "vampirão da Tuiuti"

Os prefeitos de todo o Brasil podem retomar a mobilização pela CFEM de 3,5%.

O ilegítimo Michel Temer em associação com as mineradoras pode emitir um decreto estabelecendo critérios para o escalonamento da alíquota da CFEM, prevista na Lei 13.540/2017, a pedido das empresas.

Os municípios mineradores estão em alerta 

Os municípios estão retomando a mobilização das suas lideranças para enfrentar o lobby da mineradora VALE e garantir que a nova alíquota seja aplicada, o sinal de alerta  foi acesso devido a demora do Michel Temer (o vampirão da Tuiuti) em regulamentar e obrigar a VALE a cumprir com suas obrigações legais.

Encontro nacional

Os municípios mineradores pretendem organizar um ENCONTRO NACIONAL DAS CIDADES MINERADORAS.

Cresce a consciência que é preciso fortalecer a organização do municípios no sentido de  impedir que as mineradoras permaneçam sonegando a CFEM.

É preciso que empresas como a VALE que passem a cumprir fielmente a nova legislação que determinou uma nova alíquota de 3,5% para o minério de ferro. 

Tragédia em Barcarena (PA) repete Mariana (MG) e serve de alerta à população de Parauapebas (PA)

As mineradoras agem livremente no Pará, sem qualquer fiscalização - a tragédia é uma certeza que aguarda apenas o tempo passar

Parauapebas (PA) continua dormindo, apesar de todos os alertas e evidências de danos ambientais causados pela mineração 




Depois de Mariana, em Minas Gerais, agora é a vez de Barcarena, no Pará

Na terra em que "chacineiros oficiais" encontram apoio em parte da sociedade e na própria estrutura estatal, talvez até no judiciário, uma tragédia ambiental não tem a devida repercussão, muito menos serve de alerta para as potenciais vítimas, o caso da população de Parauapebas, que ainda dorme, mesmo depois de Mariana (MG) e do caso da mineradora HYDRO, em Barcarena (PA).

Quem é a mineradora HYDRO

A empresa Hydro, responsável direta pela tragédia em Barcarena (PA), é um conglomerado norueguês com sede em Oslo. O estado norueguês detém uma participação de 34,3 por cento na companhia. A companhia também detêm antiga parceria com a mineradora Vale. essa que atua em Parauapebas.

A mineradora VALE ainda não se manifestou sobre a tragédia em Barcarena e sobre sua eventual participação na Hydro Alunorte.

Onde fica o município de Barcarena (PA) e a mineradora Hydro




Barcarena tem cerca de 121.190 habitantes, está localizado no norte do estado do Pará.

O desastre ambiental

Mais um desastre ambiental se desenha, não se sabe ao certo qual é a sua dimensão, a empresa HYDRO contaminou o solo, rios e igarapés no município de Barcarena devido ao vazamentos de chumbo, bauxita e soda cáustica das suas instalações. A contaminação foi confirmada por laudo do Instituto Evandro Chagas, leia aqui no  www.ver-o-fato.com.br.

Segundo pesquisador Marcelo de Oliveira Lima, do Instituto Evandro Chagas, a empresa norueguesa, Hydro, fez ligação irregular que resultou no vazamento. de rejeitos de chumbo, soda caustica e bauxita encontrados na amostras analisadas.

Quando será a vez de Parauapebas

As operações da Vale no Pará são realizadas sem qualquer fiscalização dos órgãos públicos, a mineradora tem dez barragens e sete diques cadastrados no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), dessas estruturas, sete estão em Parauapebas, a população não tem qualquer informação de que algum órgão público tenha inspecionado e divulgado relatórios técnicos dessas instalações.

O rio Parauapebas e o lençol freático no município sofrem todo tipo de agressão, a mineradora tem licenças de captação de água que são verdadeiros escândalos (veja AQUI).

Um CPI chamada fracasso

Até que os vereadores de Parauapebas tentaram fazer uma CPI da VALE, mas os trabalhos pararam, sem qualquer explicação.

Medo

As vereadoras que investigavam a poderosa mineradora VALE passaram a serem perseguidas nas redes sociais por "manifestoches da tuiuti", ligados ao governo Valmir da Integral, que apoiava a mineradora em Parauapebas.

Pior ainda

Uma das vereadoras, numa denúncia sem pé nem cabeça, de "zap zap", teve suas contas bloqueadas, por fatos que parecem piadas, ainda mais na cidade que viveu o terror dos desvios de recursos entre os anos de 2013 e 2016, todos eles ainda impunes.


A melhor cobertura sobre a tragédia da mineradora HYDRO é a do jornalista CARLOS MENDES que pode ser acessado clicando AQUI no - www.ver-o-fato.com.br.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Igrejas evangélicas e PCC - pastor e traficante unidos no crime e por dinheiro

Drogas e armas apreendidas em abril de 2016. Ação deu origem à operação de hoje
Armas e bíblias pra faturar alto
no crime organizado em São Paulo
Igreja Evangélica lavava dinheiro do PCC, em São Paulo

Uma igreja evangélica em São Paulo atuava em associação com o PCC, a PF descobriu que em "nome de Deus" o pastor lavava dinheiro do tráfico de drogas

Dentre os presos estão um pastor de uma igreja evangélica e um traficante do PCC. A PF diz que 19 mandados de apreensão foram cumpridos em imóveis de Itaquaquecetuba.

Dízimo e drogas

Segundo o delegado que conduziu a investigação, "o dinheiro do tráfico era juntado ao dízimo na igreja que foi construída só para essa função. Donos de empresas de automóveis cediam carros para transportes de drogas. Os açougues faziam lavagem também".

O delegado da PF, Fabrízio Galli, afirma ainda que a igreja teria sido construída exclusivamente para juntar o dinheiro do tráfico ao dízimo. 

O pastor foi preso

12 pessoas foram presas temporariamente e trazidas à Polícia Federal para serem interrogadas, entre elas o pastor dizimista.

O PCC surgiu no tucanistão paulista e se espalhou pelo Brasil

O PCC é uma contribuição do PSDB de São Paulo para a insegurança pública de todos os estados brasileiros.

Apenas nessa operação, iniciada em janeiro de 2017, foram apreendidos 890 quilos de cocaína, 11 fuzis, 2 pistolas, grande quantidade de munição e 3 bloqueadores de telefone celular. 31 mandados judiciais foram cumpridos pela PF nas cidades São Paulo, Mogi das Cruzes, Santo André, Jarinu e Praia Grande, todas no Estado de São Paulo. 

Abra o olho

Sabe aquela igreja localizada em bairro pobre, mas que o pastor é bem rico, aparece na TV, é o dono da "concessão", anda de carrão e até de avião, abra bem o olho pra essa gente.

Seu pastor pode ser um sócio do PCC.

Ação de Investigação Judicial Eleitoral, em fase final, pode mudar a composição na Câmara de Parauapebas

R$ 1.2 MILHÃO - A suspeita é que o dinheiro foi usado na campanha eleitoral de 2016, as imagens provam que os serviços contratados não foram realizados



Ação devastadora para Valor da Integral e aliados

Uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) foi movida contra o ex-prefeito VALMIR QUEIROZ MARIANO, o atual vereador Zacarias e outros envolvidos, ela tramita desde 09 de dezembro de 2016, as alegações finais das partes já foram apresentadas, a sentença deve sair em breve.

O Ministério Público Eleitoral pediu a procedência e a condenação de todos os denunciados.

Caso o poder judiciário julgue procedente a AIJE, a composição da Câmara de Parauapebas será modificada, entrando o suplente MIQUINHAS (PT) no lugar do vereador Zacarias.

As provas são impressionantes - veja as imagens







Entenda o que o EXÉRCITO do vampirão da TUIUTI quer no RJ




O site JUSTIFICANDO, com boa técnica e humor, explica pra você o que o EXÉRCITO DO VAMPIRÃO DA TUIUTI fará no Rio de Janeiro.

"Que coisas Que Você Precisa Saber, com um especial mais do que necessário sobre a Intervenção Federal no Rio de Janeiro! Que diabos tá acontecendo? O que isso tem a ver com a Reforma da Previdência? Como os outros Poderes se posicionaram sobre o assunto? Muda o quê na vida de quem? Essas e outras respostas você só encontra no seu jornal anti jurídico favorito".

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

QUE PAÍS É ESTE? A saga de um povo que é atacado por quem deveria lhe defender




A peculiar FORÇAS ARMADAS do Brasil é retratada pela FOLHA DE SÃO PAULO, aliás, é flagrada numa INDECENTE violação da dignidade do seu povo pobre -  militares armados com fuzis revistam as mochilas de crianças, numa comunidade pobre (obviamente), enquanto um juiz e uma operação farsesca a serviço da Rede Globo e do PSDB estão destruindo as empresas nacionais e setores estratégicos desse mesmo país.

Nesse estranho BRASIL lavajateiro, a criminalização da pobreza é sempre a escolha das suas elites, para isso que devem ter um EXÉRCITO de "capitães do mato", para outra coisa não se mostram úteis.

Um EXÉRCITO não reconhece seu próprio povo, aliás, lhe fere a dignidade - é APÁTRIDA.

A imagem não revela um EXÉRCITO de uma nação e sim de "capitães-do-mato".

Ursula Vidal seria eleita ao senado e derrotaria Jatene em Belém e Região Metropolitana

Jatene não seria eleito para o senado, se dependesse de Belém e Região Metropolitana




A força de Ursula Vudal em Belém

Os números da pesquisa IBOPE ainda estão sendo digeridos pelos aliados de Jatene, o cenário não é nada bom, mostra uma grande fragilidade dos tucanos justamente onde eles sempre foram mais fortes, na capital do estado e região metropolitana.

Em Belém, o Ibope aponta que URSULA VIDAL seria eleita para o senado com 27% dos votos, ao lado de Jader Barbalho (PMDB), que teria 29%. Jatene perderia a eleição, ficaria de fora, com apenas 18%, mesmo índice de Marinor Brito (PSOL).

Nível superior

Entre os eleitores que tem nível superior de ensino, URSULA VIDAL lidera em todo o estado do pará, com 22%.

Sem partido

A pré-candidata Ursula Vidal se desfiliou da Rede, mas seu nome está sendo cortejado pelo PSOL e vário outros partidos.

Ursula Vidal se desfilia do partido de Marina Silva


Ursula aparece bem nas pesquisas eleitorais em Belém

Ursula Vidal é a grande novidade na política do Pará, na última pesquisa Ibope aparece em terceiro lugar na disputa para o governo do estado.

Em Belém e região metropolitana Ursula Vidal ocupa a segunda colocação, chegando a ter 21% dos votos no primeiro turno, segundo o Ibope.

No segundo turno, Ursula Vidal fica empatada tecnicamente com Helder Barbalho, 39% a 42%, em Belém e região metropolitana, sendo a única que ameaça a vitória do ministro Helder na capital paraense.

Ursula era pré-candidata pela REDE, mas resolveu sair do partido  (leia abaixo)

"Já se passaram 5 anos desde que entendi que minha contribuição social como jornalista e documentarista poderia ganhar escala se eu me dispusesse a ocupar um cargo político. Era como lutar com armas mais eficazes; travar o combate no campo das ideias, reivindicar o justo dando sentido à minha cruzada pessoal, que tem sido ao mesmo tempo coletiva. Em 2014, vivi o desafio de minha primeira candidatura, defendendo os princípios e propósitos da REDE Sustentabilidade, reconhecendo na grandeza moral, intelectual e política de Marina Silva um lume que poderia me guiar. E assim foi. A caminhada foi sofrida. E Bela. E marcada por profundos e valorosos aprendizados. Olhando pra trás, percebo que esta jornada exige sobretudo entrega. Quando mergulhamos com firmeza em um projeto politico, entregamos muito; entregamos quase tudo.

Sempre achei que havia um pouco de santidade e de loucura no fundo dos olhos de mulheres e homens que se dedicam a mudar o mundo. E neste tipo de missão nunca falhamos, porque o mais importante não é a chegada: se não mudamos o mundo, a caminhada nos muda.

Ao longo da estrada, enfrentei a dureza e as alegrias de ajudar a consolidar um partido novo, forjado com o ferro maleável, resistente e dúctil das ideias novas; uma mecânica interna baseada na democracia e na horizontalidade. E por cada palmo percorrido nesta estrada, eu manifesto minha mais sincera e devotada gratidão.

Contudo, na esteira deste tempo de construção da REDE, chegou o tempo da escuridão no Brasil. Ao festejar um bravo e eficiente combate à corrupção empresarial e política no país, fui notando que as garras do monstro neoliberal ficavam cada vez mais afiadas. Vejo o povo brasileiro ser engolido aos poucos pela boca sedenta deste assombro que mastiga e sangra direitos sociais. Minha visão política foi ganhando outros contornos; uma elaboração mais critica, uma outra construção de mundo.

Por respeito às posições institucionais e políticas da REDE Sustentabilidade, mantendo a coerência com o modelo de sociedade justa no qual acredito, comunico minha DESFILIAÇÃO do partido. Desejo às companheiras e companheiros da REDE toda a energia e bravura para fazer os enfrentamentos necessários, diante da jornada que o Brasil viverá neste ano eleitoral. Sigo com minha luta e minha fé. E com a certeza de que este 20 de fevereiro, Dia Mundial da Justiça Social, marcará minha trajetória política com a coragem das mulheres e homens que me inspiram e me alimentam de força e esperança. Porque é preciso crer em um mundo de justiça e de paz; e ele chegará mais rápido se a política for um espaço de construção ética, coletiva e mais humana." (Ursula Vidal)

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

O Pará é quem mais contribui para a mineração e para a VALE, mas o setor fecha postos de trabalhos no estado

A VALE "bamburra" todos os dias no Pará, mas fecha postos de trabalhos

Enquanto fecha postos de trabalho no Pará, a mineração tem saldo de 1.552 empregos em Minas Gerais





A VALE comemora com altos lucros

Minas Gerais e Pará são os principais empregadores no setor mineral, na extração de ferro é onde se concentra  mais da metade dos postos de trabalho.

O ano de 2017 foi um ano muito bom para o setor extrativo mineral, bom para as empresas, claro.

Um ano excelente para a mineradora VALE, a exploradora teve altos lucros.

Preço nas alturas

Os preços tiveram aumentos significativos em 2017, principalmente o minério de ferro, a cotação alcançou US$ 90,00/t em fevereiro.

No primeiro semestre de 2017, comparando com mesmo período de 2016, o preço do minério de ferro teve um crescimento médio de 43%. Com o cenário favorável, o ferro passa a ter 68% de participação nas exportações minerais brasileiras, enchendo os cofres da mineradora Vale de bilhões de dólares. No mesmo período de 2016, o minério de ferro respondia por 55,3% das exportações do setor.

Domínio da China

A China é o principal mercado para as exportações do minério brasileiro, com 41.8% de participação total, seguida de longe pelo Japão, que vem em segundo lugar, com apenas 5.9%.

A mineração fecha postos de trabalho no Pará

O principal produto do setor é o minério de ferro, quem mais produz é Parauapebas e Canaã dos Carajás, cidades paraenses, mas para a VALE isso não importa muito, ela quer apenas explorar, lucrar e depois irá embora, deixando um rastro de destruição e desorganização social.

Acredite, mesmo com todo esse cenário paradisíaco, a mineradora VALE presenteia o Pará com desemprego. O saldo de postos de trabalho foi negativo para o período em 177 vagas.

Veja os números

No primeiro semestre de 2017, quando a Vale mais ganhou e lucrou, o Pará teve uma queda na geração de empregos no setor mineral de 0,9%.

A VALE é a mãe de Minas Gerais e a madrasta do Pará

Enquanto no Pará a Vale (o setor mineral) fecha postos de trabalho, gerando desemprego, em Minas Gerais o  saldo de mão de obra da mineração no primeiro semestre de 2017 foi positivo, principalmente na extração de ferro, com 1492 novos postos de trabalho.

________________________________________________
Obs: Todos os dados são oficiais e publicados pela Agência Nacional de Mineração e CAGED (www.anm.gov.br)

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Pará: O Ibope desanimou os aliados de Jatene



De novo


O ex-governador Almir Gabriel (in memorian) nunca esqueceu o "drible da vaca" que sofreu do seu pupilo preferido, Simão Jatene, no caso mais asqueroso de traição política da história do Pará, quando tentou retornar ao governo do estado, com apoio do "muy amigo" Jatene, Almir Gabriel foi abandonado à própria sorte, a traição lhe deixou marcas mais profundas que a derrota sofrida.

Almir Gabriel nunca mais conseguiu se recuperar da traição sofrida. Jatene tenta aplicar o mesmo golpe nos seus aliados, fazendo de conta que apóia uma certa candidatura, mas na verdade não está nem aí.

O que importa

O Jatene acha que seus aliados não perceberam, mas eles estão de olhos bem abertos e já sabem que o governador só importa com a sua própria eleição ao senado e a da sua filha para a Câmara dos deputados.

Debandada

Na verdade, a base aliada de Jatene já deu sinais claros que irá debandar, o governador que se cuide, apesar de ser duas vagas para o senado, a coisa não está tão tranquila para a sua candidatura, ele pode ter surpresas desagradáveis.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

PARÁ: Pesquisa IBOPE aponta Helder Barbalho (PMDB) e Paulo Rocha (PT) no segundo turno no Pará





Resultado

O IBOPE divulgou uma pesquisa para o governo do estado do Pará. 

O resultado não podia ser melhor para o ministro Helder Barbalho (PMDB), segundo os números do IBOPE ele venceria com folga o primeiro turno, alcançando 36% dos votos, no cenário mais provável.

O senador Paulo Rocha vem em segundo lugar com 17% e em terceiro lugar a pré-candidata Ursula Vidal com 8%.

Apoio de Jatene 

Os números são decepcionantes para o Jatene, o pré-candidato Márcio Miranda, o escolhido pelo atual governador do Pará para disputar a chefia do executivo, fica com apenas 6% dos votos.

Embora ainda seja cedo, o fato é que o resultado não podia ser pior, os números são pífios, mostrando que não se trata apenas do candidato ser pouco conhecido do eleitor, mas de que há uma rejeição crescente a qualquer nome vinculado ao governador Jatene.

Para presidente

O favorito para presidente, imbatível é LULA, alcançando 43%. 

Dados do registro da pesquisa

A pesquisa IBOPE contratada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Pará, teve registro no TRE-PA sob o número de identificação: PA-07845/2018.

A margem de erro é de 3%, foram entrevistados 812  eleitores para o governo e senado do Pará, no período de 03 a 09/02/2018.

Leia mais AQUI - clique DOL