segunda-feira, 19 de novembro de 2018

O mundo sabe que LULA é preso político e repudia o ódio de Bolsonaro e a canalhice/leviandade de Sérgio Moro

O corrupto judiciário brasileiro que ajudou a eleger Bolsonaro está sob suspeição aos olhos do mundo

Resultado de imagem para moro é um criminoso
Moro é um malandro que tentou enganar o Brasil


"A Prefeitura de Barcelona divulgou, dia 14 de novembro, uma declaração institucional condenando o discurso de ódio e violência de Jair Bolsonaro, presidente eleito no Brasil. A nota repudia as atitudes machistas, racistas e autoritárias de Bolsonaro e exige a proteção e o cumprimento estrito dos direitos previstos na Constituição de 1988. Além disso, expressa o apoio da cidade de Barcelona a todos os cidadãos e cidadãs do Brasil que estão mobilizados contra esse discurso de ódio. As autoridades da prefeitura de Barcelona manifestam ainda “profunda preocupação pela nomeação do juiz Sérgio Moro como ministro da Justiça, defende o envio de uma missão internacional de observadores para avaliar a independência do Judiciário brasileiro e a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conforme habeas corpus concedido pelo juiz Rogério Favretto, do Tribunal Regional Federal da 4a. Região, de Porto Alegre."

sábado, 17 de novembro de 2018

MAIS MÉDICOS: 122 municípios atingidos por Bolsonaro. 59 municípios do Pará tinham apenas médicos cubanos

Nem precisou 2019 chegar, o Brasil já está numa noite, que ao fim dela venha Nuremberg pra "elles"

Bolsonaro e filhos batem chifres e provocam fim do programa "Mais Médicos" - 122 municípios do Pará são prejudicados



O irresponsável acredita nos seus "fakes e memes"

Apenas por abrir a boca e falar suas asneiras, os danos ao Brasil e ao seu povo já é inestimável, o irresponsável Bolsonaro causa prejuízos de toda ordem, acredita que governará com "fakes e memes", um tosco!

Mais de R$ 81,7 bilhões

Na campo da diplomacia internacional, especialista já fazem a conta e estimam que o Brasil poderá perder mais de R$ 81,7 bi nas suas exportações, apenas para os países que foram envolvidos nas declarações do próprio Bolsonaro, ele pensa que o mundo se reduz a um grupo de "alucinados do zap-zap". (leia aqui)

Fim dos "Mais Médicos"
"O Programa Mais Médicos (PMM), foi lançado através da medida provisória nº 621/2013 em 08 de julho de 2013, fruto de um debate histórico dos defensores do SUS para ações mais efetivas do governo Brasileiro na busca de médicos disponíveis ao SUS nas regiões de maior vulnerabilidade social e da garantia constitucional do direito à saúde", é assim que a Famep - Federação das Associações dos Municípios Paraenses - a entidade lançou um manifesto (aqui) contra a irresponsabilidade do Bolsonaro, o sem noção, ele causou danos e pode provocar a perda de vidas humanas, em número grande, apenas o município de Santarém-PA, estima-se, ficará sem 17 médicos, um drama para a população carente que recorre aos serviços públicos de saúde, o estrago se espalha por quase todos os municípios do interior do estado do Pará. 

59 municípios do Pará tinham apenas médicos cubanos

Segundo a nota da FAMEP, no Pará, atuam cerca de 770 médicos no programa MAIS MÉDICOS, sendo que 542 deste percentual total são de médicos cubanos (70,38%), que trabalham em 122 municípios paraenses e nos Distritos Sanitários Indígenas (DSEI), dos quais 59 municípios são exclusivamente atendidos por cubanos devido ao não interesse de profissionais médicos brasileiros em atuar nestes locais.

Nuremberg

Anistia, nunca mais! Nuremberg, sim!

Com Bolsonaro, o Brasil já iniciou mais uma grande noite, ao fim, que não se anistie, como foi feito com os bandidos de farda da ditadura militar.

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

A farsa de uma "justiça lavajateira" contra LULA

Aécio solto, Bolsonaro eleito, Moro ministro, Temer presidente, podemos concordar em uma coisa: "O BRASIL NÃO É UM PAÍS SÉRIO"

Trecho do depoimento de LULA ao podre
 judiciário lavajateiro do Brasil

Mais uma farsa contra LULA

O Brasil e o mundo sabem que a perseguição ao LULA é uma farsa da casta de toga em busca de "recompensas financeiras" e holofotes, o mais desqualificado uso do cargo pra fins não previsto na lei, vide o cínico SÉRGIO MORO, nem esperou seu candidato Bolsonaro ser diplomado e já aceitou ser ministro, sem abandonar as regalias do cargo de juiz federal, uma vergonha, algo próprio e exclusivo de autoridades que não se dão ao respeito, que não se importam com o BRASIL e com o seu povo.

Falseia

LULA é vítima de uma farsa, de uma imundície chamada LAVA JATO, cujo objetivo é político-partidário, vide seu nefasto juiz SÉRGIO MORO, além, obviamente, de colocar a Petrobrás aos pés dos interesses dos Estados Unidos.

A sentença do político de toga e de férias, da imunda Lava Jato, diz textualmente LULA teria praticado "ato de ofício indeterminado", quando um juiz escrever isso na sua decisão, esqueça o juiz, pois o que resta é um CANALHA DE TOGA, um político em busca de holofotes e de poder, violando às leis que deveria ser o primeiro a respeitar, já que o primeiro a exigir o seu cumprimento.

Qual o crime?

“Qual é o crime que Lula cometeu? Corrupção passiva precisa de um ato de ofício definido. Precisa que se comprove a Lavagem de dinheiro também. LULA lavou dinheiro de quem e onde? Essas perguntas os canalhas da LAVA JATO não respondem, nem precisam, não há lei para eles seguirem, eles são políticos, vide o juiz de Curitiba. 

Não tem juiz, tem político; não tem provas, estas são impossíveis de aparecerem, pois não há crime. Há convicções políticas, partidárias e ideológicas, há canalhice!

Sobre o processo e sobre Sérgio Moro

Para o deputado federal Wadih Damous (PT), que integra a equipe de advogados de Lula, o processo do “sítio de Atibaia” tem semelhanças com o processo do “triplex do Guarujá”, pelo qual Lula foi condenado. Na análise de Damous, existe uma “tentativa de incriminação ao ex-presidente Lula em um processo farsesco”.

“São dois processos diferentes do ponto de vista do objeto, mas são processos parecidos. Da mesma forma como no caso do triplex, atribuiu-se a propriedade e a responsabilidade ao presidente Lula de um imóvel que não é dele. Tentam vincular melhorias que foram feitas no tal sítio de Atibaia a contratos da Petrobrás na época em que Lula era presidente. É bom que saiba que essas tais melhorias foram realizadas quando Lula não era presidente. Não há qualquer prova”, afirmou.

“O juiz Sergio Moro encontra-se, hoje, numa situação de absoluta ilegalidade. Não existe, na legislação brasileira, a figura do juiz de férias que faz política. Juiz não faz política. Isso está no conselho federal, na lei orgânica da magistratura, isso está no código de ética. Esta figura, juiz de férias fazendo política, nunca existiu, porque ela é ilegal”, disse o deputado Paulo Pimenta.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

LE MONDE: Lugar de militar que defende tortura e ditadura é na cadeia, não é na presidência e nem na vice presidência de um país

"Impunidade dos crimes da ditadura abriu brechas para o retrocesso atual"




ENTREVISTA – EUGÊNIA AUGUSTA GONZAGA

Presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos fala sobre dificuldades para esclarecer as violações da ditadura, problemas enfrentados desde o impeachment de Dilma Rousseff e a necessidade de revisão da Lei de Anistia, além das expectativas da continuidade dos trabalhos a partir de 2019.

Grande parte do apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) e seus seguidores é fruto de um pacto de esquecimento estabelecido durante a transição para a democracia no Brasil há quase trinta anos. É o que defende Eugênia Augusta Gonzaga, procuradora da República e presidente da Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP).

A comissão foi criada em 1995, durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), para encontrar mortos e desaparecidos políticos e colocar em prática medidas de reparação a familiares, vítimas e sobreviventes. Sua criação representa um marco no direito à verdade no país: foi a primeira vez que o Estado brasileiro reconheceu sua responsabilidade pelas graves violações cometidas durante a ditadura militar (1964-1985).

Eugênia Gonzaga se engajou no tema a partir do caso da vala comum de Perus. Até hoje, o episódio é o único do gênero que possui trabalhos avançados de identificação das vítimas. A prática de enterros em valas clandestinas foi repetida em outros pontos do país, como Rio de Janeiro e Recife, além de haver suspeitas de seu uso durante a Guerrilha do Araguaia.

Sem esclarecimentos e responsabilização, a visão sobre a história recente do país torna-se nebulosa: assim, parte do eleitorado que apoia o viés militar de Bolsonaro segue acreditando nas benesses do regime durante a ditadura militar no Brasil. “É importante dizer que nenhum governo desde a redemocratização foi ideal no âmbito de implementar uma justiça de transição, de estabelecer o pleno direito à memória. O Brasil segue tímido quanto à possibilidade de abrir seus arquivos”, afirma Gonzaga.

Em entrevista ao Le Monde Diplomatique Brasil, a presidente da comissão falou também sobre dificuldades para esclarecer as violações da ditadura, problemas enfrentados desde o impeachment de Dilma Rousseff (PT), a necessidade de revisão da Lei de Anistia, além das expectativas da continuidade dos trabalhos a partir de 2019."

Oposição derrota as maluquices e os ataques de Bolsonaro/Temer aos trabalhadores brasileiros



A resistência contra o ataque aos trabalhadores e ao meio ambiente

O candidato eleito pelo esquema das "fakenews" vai escancarando a cada "zap zap" a sua alucinação, decorrente da sua principal característica - a idiotice.

Anunciou o fim do Ministério do Trabalho, o fim do Ministério do Meio Ambiente, a mudança da embaixada em Israel, de Tel Aviv para Jerusalém, evidenciando que se trata de um lunático sem a menor noção das coisas.

O Brasil está à deriva, haja fake news de "kit gay" para sustentar um sujeito desse como presidente.

O Brasil é grande e sobreviverá!

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Como tratar bandido, o exemplo vem do CHILE: 11 marginais do exército vão pra cadeia, já no Brasil, todos eles estão soltos, ameaçam as instituições e nada acontece

Entre os condenados, o ex-comandante-chefe do Exército do Chile, entre os anos de 2002 e 2006, o general Juan Emilio Cheyre

No Brasil os defensores da ditadura militar assumem o poder, no Chile eles estão indo pra cadeia - o local certo

O general Juan Emilio Cheyre foi condenado, 
no Brasil os bandidos de farda estão soltos

No Chile, o ex-comandante-chefe do Exército é condenado por cumplicidade nas mortes de 15 pessoas após o golpe militar de 1973

Enquanto a mídia brasileira e Bolsonaro/Temer tentam empurrar a falida previdência chilena como exemplo para os brasileiros, a justiça daquele país, que não tolera medíocres que nem Sérgio Moro, deu mais um exemplo de seriedade ao mundo, condenando a três anos e um dia de prisão o marginal de farda Juan Emilio Cheyre, ele é general e foi ex-comandante do exército chileno entre os anos de 2002 e 2006.

O general Cheyre é a figura mais importante a ser responsabilizada até agora pelos abusos cometidos durante o regime do general Augusto Pinochet.

Caravana da morte

O bandido de farda também deve ser herói do presidente eleito do Brasil e dos seus filhos, mas no Chile a conversa pra esse tipo de bandido é outra, ele foi condenado por cumplicidade com a notória "Caravana da Morte", uma unidade militar enviada pelo general Pinochet a áreas remotas chilenas para caçar ativistas da oposição. 

A "caravana da morte" esteve na cidade de La Serena, no norte do país, um mês após o golpe de Estado em setembro de 1973, matando 15 opositores ao regime de Pinochet, foi por esse fato que o general Cheyre foi condenado.

Um justiça de verdade, não essa imundície lavajateira do Brasil

O juiz de investigação Mario Carroza, que não é do tipo "moleque celebridade da Globo", disse que a condenação do general mostra que o sistema judiciário do Chile é "igualitário", ou seja, caixa 2 é caixa 2, já no Brasil.

Ou seja, no Chile, militar que pensa que nem Bolsonaro, vai pra cadeia, já no Brasil!

Sérgio Moro 2022 - Por Marco Atílio



Uma coisa não se pode negar: Sérgio Moro é o cara de pau mais corajoso do Brasil. Em entrevista concedida ontem ao programa do Fantástico da Rede Globo, reconhece serenamente que foi procurado entes mesmo do fim das eleições para compor o futuro governo do então candidato Bolsonaro. A data é um mero detalhe. 

Disse que nunca ouviu qualquer discurso de ataque a minorias proferidas por Bolsonaro e que gays, negros e mulheres não correm risco algum. Então tá! Já me sinto mais seguro. 

Outra coisa que não se pode negar: Sérgio Moro vem tendo sucesso em sua estratégia de poder, pelo menos até o presente momento. Seus movimentos no tabuleiro foram decisivos para que Bolsonaro fosse eleito presidente. Nada mais justo que se tornasse uma figura proeminente no futuro governo que ele dedicadamente ajudou a eleger. 

Mas existem certos problemas que sua visão ofuscada pelos holofotes não consegue ver. Sua embriaguez pelo poder não lhe permite perceber erros toscos que vem cometendo nesses poucos dias desde que foi anunciado futuro superministro. 

É visível que a grande imprensa o trata como a pessoa mais importante do governo Bolsonaro, mais que o próprio Bolsonaro. Também é visível como ele sente prazer orgástico em ser visto como tal. A julgar pela sua fala fina e trêmula, apostaria em duas ou três ejaculações ao longo da entrevista à apresentadora do Fantástico, Poliana Abritta. 

No best seller "As 48 Leis do Poder", Robert Greene faz um alerta: não ofusque o brilho do mestre. É simplesmente a primeira das 48 leis. Citando Baltasar Gracián, Robert Greene nos ensina: “toda superioridade é odiosa, mas a superioridade de um súdito com relação ao seu príncipe não só é estúpida como fatal.” 

Bom, é evidente que Bolsonaro sofre de idiotia aguda, mas também não se pode negar que os 28 anos de congresso e sucessivas eleições lhe forjaram um forte instinto de sobrevivência política. Bolsonaro ainda não sabe, mas chegará o dia em que terá que cortar a cabeça de Sérgio Moro, não por ser habilidoso – porque definitivamente não é –, mas por puro instinto. 

Sérgio Moro não pode evitar de ser quem é: um narcisista extremado. Bolsonaro também não pode evitar seus instintos de sobrevivência. O futuro dessa relação está traçado e não é preciso ser mãe Diná para prever o desfecho dessa história. 

Eu, na condição de “fã” de Sérgio Moro, humildemente desejo que sofra e que sangre lentamente até a morte. Obviamente que me refiro à sua vida política, e não à biológica.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Procurador-Geral do MP pediu e Tucuruí pode sofrer Intervenção Estadual

Caso o pedido seja aprovado, o governador já tem um nome para interventor




Tucuruí pode sofrer intervenção

Procurador Geral, Gilberto Valente Martins, concordou com a 2ª Promotora de Justiça do Município, Amanda Sales, e ingressou com um pedido de Intervenção Estadual no município de Tucuruí/PA.

Desde 2016 que as autoridades do município não prestam contas ao TCM-PA. As irregularidades atingem o poder executivo e o legislativo de Tucuruí.

Bagunçou geral

Após a morte do prefeito Jones William, assassinado poucos meses após assumir o cargo, o município de Tucuruí não encontrou mais um rumo, vive uma instabilidade política que parece não ter fim.

O governador já teria escolhido o interventor

A viabilidade do pedido de intervenção colocou o governo do Pará em prontidão, Jatene teria um nome pronto pra assumir o município, trata do presidente da Associação Comercial e Industrial de Tucuruí, Marcelo Alexandre C. Silva.

Aposentadoria dos servidores públicos de Marabá em risco, dívidas chegam a R$ 48 milhões

Ex-prefeito foi denunciado por dívidas de R$48 milhões com Instituto de Previdência do Município


Resultado de imagem para servidores de marabá


De junho de 2015 a dezembro de 2016

O plenário do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará (TCM-PA) julgou procedente a denúncia e representação contra o ex-prefeito João Salame Neto, devido ao não recolhimento das contribuições dos servidores ao Instituto de Previdência do Município de Marabá (IPASEMAR), no período de junho de 2015 até 31 de dezembro de 2016, o valor do rombo é de R$ 48.123.095,17.

O Tribunal encaminhou os autos ao Ministério Público Estadual e à Câmara Municipal de Marabá, para as providências cabíveis.

Alerta

O que ocorre em Marabá é um alerta para todos os municípios, não há controle prévio nem do Tribunal de Contas e nem do Ministério Público, há política, muita política.

O rombo será debitado na conta dos servidores e em prejuízo das sua aposentadorias, impressiona que ainda tem sindicatos de servidores que defendem esses regimes próprios nas mãos de prefeitos e afins.


domingo, 11 de novembro de 2018

Parauapebas: A família de Jhackelyne pede a sua ajuda

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé e telefoneA imagem pode conter: 1 pessoa, óculos


21 anos

Jhackelyne Rodrigues tem apenas 21 anos, no último dia 1° de maio ela foi vítima de um assalto na sua residência, no município de Parauapebas/PA, quando sofreu um tiro, o projétil ficou alojadona sua coluna, ela precisa realizar o mais rápido possível um procedimento cirúrgico.

Você pode ajudar

NÃO DEIXE DE FAZER SUA DOAÇÃO para que Jackelyne possa realizar sua cirurgia, o valor que a família precisa é de R$ 20 mil.

Por favor faça uma doação de qualquer valor na conta:

Caixa  Econômica Federal  

Agência: 3145
Conta Poupança n° 51.783-5  
Operação 013
Nome: Fernanda de Morais Rodrigues

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Nos EUA, TRUMP e seu partido sofrem a maior derrota em 8 anos

Rejeitado pela maioria dos eleitores, TRUMP é o grande derrotado, a oposição retoma o controle da Câmara dos Deputados com grande folga (representantes) 




Depois de 8 anos 

O cansaço do povo norte americano com o governo tresloucado de Donald Trump dobrou a esquina, o Partido Democrata emplacou uma grande vitória nas eleições de meio de mandato nos Estados Unidos, na votação encerrada na última terça-feira (6/11), após 8 anos de seguidas derrotas.

A oposição a Trump já tinha confirmado 223 deputados Democratas contra 197 do partido Republicano, essa maioria deve aumentar ainda mais um pouco.

Impeachment

A oposição a Trump conquistou os votos necessários para iniciar investigações e até um processo de impeachment.

Vários negócios do TRUMP podem ser alvos investigações pela oposição Democrata, além de a partir dessa maioria conquistada ficar difícil para o presidente americano aprovar as sua maluquices, como por exemplo o de erguer um muro na fronteira do México para conter os imigrantes latinos.

Mais mulheres

Um voto nitidamente anti-Trump, a participação maciça do eleitorado progressista trouxe novos ventos para o Congresso dos EUA,  a bancada feminina já é uma das maiores da história, um claro recado para um presidente nitidamente preconceituoso, sexista e homofóbico.

Homossexual 

O estado do Colorado elegeu o primeiro governador assumidamente homossexual do país, Jared Polis.

Rejeição a Trump

O resultado indica claramente uma rejeição ao presidente fanfarrão e as suas fakenews, ele tem aprovação de apenas 40%, mesmo considerando o bom momento econômico dos EUA, o cidadão sabe que não é um quadro sustentável e que não vale a pena, a conta de TRUMP ainda chegará para a economia e os trabalhadores.

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

A recompensa para a escória de toga

O jornalista RODRIGO VIANA resumiu bem o que ocorreu e está  em andamento no Brasil


Sérgio Moro - as leis fossem respeitadas ele seria um prisioneiro e não um juiz ou ministro

O esquema Moro/Bolsonaro é o maior crime contra a democracia brasileira, mais cedo ou mais tarde eles prestarão contas com a Lei e perante as instituições




CNJ vai analisar quatro representações contra Sergio Moro

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve analisar pelo menos quatro representações apresentadas contra Sergio Moro, informa a coluna de Mônica Bergamo no jornal Folha de S. Paulo; uma delas questiona o encontro dele com o economista Paulo Guedes para falar sobre a participação do juiz no governo de Jair Bolsonaro; outra questiona o fato de o juiz não ter se exonerado e sim tirado férias; um dos integrantes do CNJ diz que "não existe o sujeito fazer plano de governo de toga" pois a Constituição veda a participação de juízes em atividades políticas...

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Governo Hélder: Equipe de transição tem 5 mulheres entre os 11 membros



Bom sinal

Helder Barbalho (MDB) anunciou os 11 nomes da sua equipe de transição ao governo do Pará. 

Embora a maioria seja de homem, inclusive o coordenador geral, merece aplausos a presença feminina na equipe, são 5 nomes: Hana Sampaio Ghassan, Ivete Vaz, Leila Freire, Maria Eugenia Rio e Rebecca Hesketh.

Demais nomes

Parsifal Pontes (Coordenador), Marcos Rodrigues de Mattos, Ricardo Balestreri, Alex Centeno, Eduardo de Castro Ribeiro Junior e Fabrício de Paula Santos Gomes formam a equipe.

Comparando

Para ter idéia, apenas para comparar, o tresloucado presidente das fakenews, o Bolsonaro, tem uma equipe apenas de homens, no meio da tropa tem fardados e desorientados, condenados por estelionato, condenados por crimes da Lei Maria da Penha (agressão a mulheres) e, obviamente, acusados de Caixa 2 e corrupção.

A equipe foi anunciada com 27 nomes, todos homens, depois das críticas, indicaram uma "bombeira", melhor teria sido uma "caminhoneira", deve ter alguma disponível na praça, com a devida vênia a essas profissionais (leia AQUI). 

Parauapebas também precisa de uma transição assim

Talvez, esteja passando da hora do prefeito de Parauapebas também fazer a sua transição, os exemplos estão postos.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Pedral do Lourenço e as obras da hidrovia da bacia do Tocantins-Araguaia é prioridade para o governo Hélder


Resultado de imagem para helder e jáder barbalho pedral do lourenço
Helder e Jáder - infra-estrutura é prioridade

Estudos ambientais do Pedral do Lourenço seguem para o Ibama

"Mais um passo foi dado para que as obras do Pedral do Lourenço saiam do papel. Com objetivo de melhorar a navegabilidade na bacia do Tocantins-Araguaia, o empreendimento garantirá o escoamento da produção agrícola, pecuária e mineral durante todo ano nos estados do Pará, Maranhão, Tocantins, Goiás e Mato Grosso.

Para que as obras virem realidade, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) protocolou, neste mês (23), o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) do Pedral no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama)."

Obra 

Pedral do Lourenço - Marabá/PA
Foto - Internet

"O derrocamento consiste em desgastar os pedrais que impedem a navegação de embarcações com cargas durante os meses de setembro a novembro, período em que o rio fica mais raso. A navegação permanente na hidrovia Tocantins-Araguaia vai acelerar o desenvolvimento regional para a implantação de um novo conceito logístico que integrará a hidrovia aos modais rodoviário e ferroviário e garantindo o escoamento da produção Nos estados do Pará, Maranhão, Tocantins, Goiás e Mato Grosso. A rota possui uma capacidade operacional estimada em 20 milhões de toneladas para o ano de 2025 e a posição do porto auxilia na negociação com o mercado europeu e norte-americano."

Iniciativa prioritária

"Essa é uma iniciativa que contou também com os esforços de Helder Barbalho, quando exerceu os cargos de ministro de estado do Governo Federal. Frente ao Ministério da Integração Nacional, por exemplo, Helder participou de diversas reuniões de governo, articulando com os órgãos federais responsáveis, o que garantiu mais celeridade ao processo."

(Ascom - Hélder)

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

JACUNDÁ: Os empresários conseguiram a liberdade

Os empresários foram acusados de fraudes em licitação



Fraude em licitação no município de Jacundá

Os empresários Wender e Valdivino Cunha, acusados dos crimes de fraude em licitação e uso de documento falso no município de Jacundá-PA, conseguiram um ordem judicial e deixaram a prisão. 

A informação é do escritório Araújo e Gonçalves, conduzidos pelo Dr. Rodrigo Araújo, Dr. Hélder Igor e Hawllyton Nota, em parceira com o Dr. Alexandre Carneiro Paiva, a medida foi expedida no último dia 1° de novembro.

A prisão convertida em medidas cautelares

Os advogados comprovaram a fragilidade da prisão dos empresários, o desembargador Leonam Cruz decidiu pela sua conversão em medidas alternativas, salientando que os crimes não envolvem violência ou grave ameaça e que os réus podem responder as acusações em liberdade.

Parauapebas: Hélder, o governador eleito do Pará, visita a aldeia Xikrin do Cateté e a mineradora Vale


A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em péA imagem pode conter: 6 pessoas, incluindo Viviane Soares, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna
A imagem pode conter: 9 pessoas, incluindo Roberto Lacerda, pessoas sorrindo, pessoas em péA imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé


Hélder em Parauapebas

O governador eleito do Pará, Hélder Barbalho, juntamente com a sua família, ao lado do prefeito Darci Lermen, fez um "tour" pelo município,  visitando a mina de ferro da Vale e a aldeia Xikrin do Cateté.

Vale

A mensagem do governado eleito é boa para todos entenderem, visita a maior empresa em atuação no estado, que explora impiedosamente os recursos minerais do Pará, dos brasileiros, especialmente do povo indígena Xikrin do Cateté.

Xikrin

Muito importante a visita do governador eleito do Pará ao povo Xikrin do Cateté, esses indígenas são as principais vítimas da impiedosa empresa Vale, a presença do Helder e da sua família é traz esperança para esse povo, principalmente nesse momento onde um desequilibrado "presidente fake" direciona tantas ameaças a quem merece justamente o oposto, ou seja, PROTEÇÃO.

domingo, 4 de novembro de 2018

O Brasil caiu no conto do "juiz da toga fake", concluiu o El País

Em editorial, o jornal El País resume o "esquema" Moro/Bolsonaro - uma vergonha para o Brasil 




Moro tira a máscara

A decisão do juiz de ser ministro de Bolsonaro macula retroativamente suas decisões sobre Lula e o PT

A decisão de Sérgio Moro de aceitar a pasta da Justiça no futuro governo do ultradireitista Jair Bolsonaro exige uma análise retrospectiva de suas ações, exame do qual o superjuiz, percebido como o paladino nacional da lei no Brasilnos últimos anos, não sai ileso. Sua elevação ao status de herói da justiça começou em 2014, quando suas investigações sobre a corrupção na Petrobras abalaram a política nacional ao prender dezenas de executivos, empresários e políticos, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente eleito, Jair Bolsonaro, pode ter marcado um gol notável entre seus eleitores. Mas Moro maculou sua carreira e fez um débil favor à Justiça ao aceitar o cargo de ministro.

Para começar, como revelou em uma entrevista o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão, o cargo foi oferecido a Moro há algumas semanas. Mas depois de 1º de outubro, seis dias antes do primeiro turno das eleições presidenciais, o juiz tomou uma decisão surpreendente que já naquele momento causou polêmica: tornou pública uma declaração de Antônio Palocci, ex-ministro de Lula de 2003 a 2006) e de Dilma Rousseff (em 2011), na qual este acusava o ex-presidente de ter conhecimento de todas as tramas corruptas da construtora Odebrecht e da Petrobras durante seu governo.

As revelações de Palocci, que tinham sido produzidas em março deste ano, foram reveladas pouco antes do primeiro turno sem que o juiz explicasse os motivos processuais para isso. Moro deveria esclarecer agora, no mínimo, se tomou a decisão antes ou depois de receber o convite para ocupar o ministério.

Não é este o único movimento estranho no longo histórico de Moro com Lula, a quem mandou prender em abril passado após sua condenação em segunda instância. Na ocasião, o ex-presidente liderava as pesquisas e Bolsonaro já se apresentava como candidato, segundo nas preferencias dos eleitores.


Moro condenou o ex-presidente por ter recebido um apartamento tríplex de uma construtora em troca de facilidades para negociar com a Petrobras. Durante os quatro anos que durou a instrução, o juiz deu mostras claras em várias ocasiões de agir por motivações políticas, afetando o processo eleitoral, principalmente contra o Partido dos Trabalhadores (PT) de Lula.

Moro sempre negou que tivesse motivações diferentes das do direito e da lei, ou intenções de deixar a magistratura para passar diretamente à política. “Jamais, jamais. Sou um homem da justiça e, sem querer criticar, não sou um homem da política”, declarou ao jornal O Estado de S. Paulo há dois anos, em sua primeira entrevista como instrutor do caso Lava Jato. Já faz tempo, no entanto, que só os mais incautos acreditavam nisso de pés juntos.

Como resumiu de forma irônica Ciro Gomes, que concorreu à presidência este ano: “Moro tem de aceitar o convite [para fazer parte do Governo] porque não é um juiz, é um político e precisa assumir de vez sua vocação”. E a vocação não parece ter limites: em dois anos pode ser promovido ao Supremo Tribunal Federal (STF), como afirmou o próprio Bolsonaro, e alguns acreditam que o juiz também nutra aspirações para as eleições presidenciais de 2022.

Em uma declaração estranhamente premonitória, Moro garantiu no ano passado para a revista Veja: “Não seria apropriado da minha parte postular um cargo político, porque isso poderia, digamos assim, colocar em dúvida a integridade do trabalho que fiz até o momento”. O juiz tem toda razão. A democracia se baseia, entre outras premissas, em uma estrita separação de poderes e no império da lei. Os acusados têm direito a um juiz imparcial. A mera aparência de parcialidade pode ser causa de conflito de interesses, e a decisão do juiz Moro de se unir ao governo do presidente eleito, a cujo rival processou e condenou à prisão tão recentemente, sem dúvida inquieta os defensores de tal processo. O fato de Moro ser ministro de Bolsonaro joga de forma inevitável uma sombra retrospectiva sobre se Lula teve ou não um julgamento justo, ou se desfrutou do direito de ter um juiz imparcial. Mas o ex-presidente, hoje na cadeia, não é o único prejudicado. A imagem da justiça no Brasil, como um dos pilares da democracia, é a principal danificada pelo caso Moro.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Ciro Gomes, um Bolsonaro com cérebro - por Marco Atílio

Imagem relacionada


Por Marco Atílio

É evidente que Ciro Gomes é um sujeito inteligente, não há como negar. Infelizmente inteligência não é garantia de caráter. 

Ciro Gomes muda de opinião – e de partido – como se muda de roupa. Há alguns meses falava em entrevistas que o processo que condenou Lula era uma fraude processual. Chegou até sugerir a formação de um grupo para, em uma ação cinematográfica, resgatar Lula e levá-lo a alguma embaixada. 

Hoje ele diz que Lula é corrupto e responsável por toda a roubalheira na Petrobras, pois sabia de tudo. Diz que avisou pessoalmente ao Lula. Mente descaradamente porque sabe que a pessoa ofendida está isolada e impedida até mesmo de dar entrevista, portanto não pode se defender. Um covarde! 

Em uma entrevista ao jornalista Paulo Henrique Amorim, durante o processo de impeachment da presidenta Dilma, disse que não haveria golpe porque ele próprio iria liderar uma resistência nas ruas. Dilma Rousseff foi deposta e meses depois Ciro Gomes culpava a própria vítima por ter sido violentada. Um canalha! 

Ciro Gomes também não se cansa de acusar Lula e o PT de ter apenas um projeto de poder, de caudilhismo. 

Ora, Ciro Gomes fez do Ceará um verdadeiro feudo da família Ferreira Gomes. Seu irmão, Ivo Gomes, é prefeito de Sobral. Seu tio, Antenor Ferreira Gomes, foi prefeito de Itapipoca e deputado estadual. Fez de outro irmão, Cid Gomes – o louco –, deputado, governador, ministro e agora senador. Nomeou a ex-esposa, Patrícia Saboya, através de seu irmão Cid, conselheira do Tribunal de Contas do Ceará, mas não sem antes a eleger senadora no ano de 2003. 

O próprio Ciro foi procurador geral do município de Sobral aos 23 anos de idade nomeado pelo próprio pai (ênfase no pai), então prefeito. 

Além da família, há outros casos em que os Ferreira Gomes estendem seus tentáculos. Em muitas cidades, como fortaleza, por exemplo, o prefeito só se elege depois de pedir bênção ao coronel Ciro, como ele é carinhosamente chamado em boa parte do Ceará. Enfim, como pode um sujeito com um currículo desses apontar o dedo pra alguém e acusar de ter um projeto de poder? Um dissimulado! 

Quando falamos de Ciro Gomes e o colocamos no campo da esquerda progressista, nunca é demais lembrar que esse indivíduo nasceu para a vida política no extinto PDS, partido da ditadura militar. Depois passou por PMDB, ajudou a fundar o PSDB e a partir de então passou por quase todos os partidos de direita e centro-direita do Brasil. Nunca militou em um partido de esquerda e é provável que estará no PDT apenas enquanto seus desejos forem atendidos. Um verdadeiro exemplo de caudilhismo! 

Confesso, apesar de tudo ainda nutria uma grande admiração por Ciro Gomes. Mesmo alertado em uma acalorada discussão com meu amigo Lindolfo Mendes de que Ciro não era de confiança, que era apenas uma espécie de Bolsonaro com cérebro, tinha esperança que em um segundo turno dessas eleições veríamos o veio democrático de Ciro Gomes falar mais alto. Ledo engano! 

Depois de não ter passado ao segundo turno, como um menino mimado ou uma espécie de Marina Silva piorada, resolveu tirar “férias”. Virou as costas para seu próprio país ardendo em chamas e foi embora para Lisboa e Paris tomar vinho com a namorada. 

Seu mais recente ato foi uma entrevista à Folha de São Paulo em que desfere todo seu rancor e ódio ao Lula, ao PT e a qualquer outro que o tenha criticado. Chegou ao cúmulo de chamar Leonardo Boff de “um bosta”, um idoso de 80 anos de idade teólogo, filósofo, escritor e professor universitário respeitado mundialmente. 

Ciro é isso: apenas um canalha que sofre de uma diarreia verbal aguda. 

Hoje vejo que estive completamente equivocado sobre Ciro. Mas tenho que confessar uma coisa, não consigo deixar de sentir prazer em vê-lo se tornar um verme político do tamanho que merece, bem menor que Marina Silva.

Ligando os pontos do esquema...

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

Um juiz e um presidente "fake" - esquema Moro e Bolsonaro desmoraliza o judiciário brasileiro

A recompensa do presidente "fake" para um político de toga que envergonha as leis e a Constituição Federal





A indecência de um juiz sem compromisso com a lei

Isso é indecente de tantas maneiras diferentes que precisaremos encontrar palavras novas. Por enquanto, escolho uma: obscenidade 

Com juízes que nem ele, o judiciário brasileiro desce um pouco mais em direção ao descrédito, justamente quando seria tão importante cumprir o seu papel constitucional e voltar a merecer o respeito da população."

New York Times - "Bolsonaro ofereceu emprego para Moro"

"O presidente eleito da extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, ofereceu um emprego em seu novo governo para o juiz anticorrupção, cuja investigação levou à prisão de seu rival político."

Escandalosamente o indivíduo aceitou, escancarando o que todos sabem - o esquema LAV JATO é a grande "fake".

Eles, juiz e presidente "fake", merecem a latrina da história.

Delação premiada é negada por advogado do Conselheiro Aloísio Chaves

‪Conselheiro teria recebido R$ 2,8 milhões por parecer, segundo a Polícia Federal

Pagamentos realizados pelo ex-prefeito de Parauapebas,
Valmir da Integral, ao Jader Pazinato

Delação, não

Aloísio Chaves, o Lula Chaves, conselheiro do TCM, não fará uma delação premiada, é o que garante o seu advigado, para alívio de um ex-prefeito de um rico município do Pará.

Afastado do cargo

O conselheiro foi afastado do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará, segundo a Polícia Federal, ele teria recebido cerca de R$ 2.8 milhões, no ano de 2013, para emitir parecer favorável ao pagamento de cifras milionárias pelo município de Parauapebas ao advogado Jader Alberto Pazinato.

Advogado nega

Segundo a nota publicada pela BACANA NEWS (AQUI), o advogado de Aloísio Chaves, afirma que seu cliente não cogita da possibilidade de realizar qualquer delação premiada.

Aloisio Chaves diz que provará sua inocência.

Polícia Federal (#elenão)

Em Parauapebas, a cidade pergunta se não faltou alguém nessa investigação realizada pela Polícia Federal, já que até o pastor Malafaia foi preso, os cidadãos querem saber como alguém anda escapando, isso é um mistério quase que público.

Será!

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Hora da faxina em Parauapebas - Por Marco Atílio

Charge - Blog Tijolaço


É de fácil constatação que a maioria dos membros do governo Darci Lermen aderiu ao bolsonarismo. É uma adesão aparentemente estranha e sem explicação.

Não há dúvidas sobre a índole republicana do prefeito e de quais eram seus candidatos nessa eleição. Sua posição em defesa da democracia, da diversidade, dos mais pobres, dos trabalhadores e das pautas dos movimentos sociais como, por exemplo, o MST é de conhecimento de todos.

No entanto, membros de seu governo assumiram a defesa de uma agenda completamente divergente.

Lindolfo Mendes resumiu sabiamente em apenas uma frase, neste mesmo "soldocarajas", o retrato final das eleições em Parauapebas: “o prefeito de Parauapebas perdeu a eleição com Helder e Haddad, mas o "governo local" ganhou com Márcio Miranda e Bolsonaro”.

Bem, o momento exige reflexão. Jamais faríamos qualquer apelo para que Darci promovesse uma espécie de caça às bruxas e demitisse todo e qualquer eleitor de Bolsonaro. Jamais!

Entendemos que a maioria não faz ideia do mal que fez ao país e a si própria quando decidiu apertar o número 17 na urna eletrônica no último domingo. Na verdade, essas pessoas serão vítimas de suas escolhas e são dignas de pena.

Porém, ter bolsonaristas, ou melhor, fascistas, em seu ciclo próximo e ocupando cargos de confiança, não é apenas um ato que depõe contra sua própria biografia, é ofensivo.

O projeto de um governo não é realizado apenas pelo prefeito, mas principalmente por seus secretários e assessores. Como um governo pode dar certo se a visão de Administração Pública entre prefeito e assessores é completamente oposta?

O momento requer atitudes firmes e contundentes. Chegou a hora de fazer uma faxina nos cargos de confiança, incluindo secretários de governo. Uma higienização é questão de sobrevivência.

Laços familiares foram rompidos por todo país, amizades de décadas estão sendo desfeitas e o motivo é simples: não há coexistência possível com fascistas e democratas, como defendem o filósofo Vladimir Safatle e o sociólogo Jessé Souza.

Quando a barbárie e civilização estão em uma verdadeira batalha, não há meio termo: ou você defende a liberdade ou a tirania. A neutralidade certamente favorecerá o mal.