quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Parauapebas: MIQUINHAS (PT), candidato a deputado federal, recebeu o apoio do ex-prefeito FAISAL SALMEN



É de Parauapebas


MIQUINHAS esteve com o Dr. FAISAL SALMEN, na ocasião recebeu a declaração de apoio do ex-prefeito de Parauapebas para a sua candidatura a deputado federal.

MIQUINHAS iniciou uma grande caminhada, sua jornada tem tido uma grande receptividade em Parauapebas, independente de preferências partidárias, a cada dia ele recebe apoio de lideranças importantes da comunidade local, tal a identidade do ex-vereador com o município e com a sua população.

Candidatura de MIQUINHAS pode ser a resposta de Parauapebas

A candidatura MIQUINHAS para uma vaga de deputado federal atende um anseio dos cidadãos de Parauapebas, qual seja, o desejo de colocar o município num patamar mais elevado na cena política regional, algo que parece escapar aos poderosos dirigentes partidários, estes tentam empurrar goela abaixo "gente de fora", diminuindo ou renegando a necessidade de Parauapebas, município mais rico do Pará, em ter presença certa tanto na ALEPA como na Câmara Federal.

FAISAL SALMEN

Com uma carreira política vitoriosa, FAISAL SALMEN ocupou vários cargos, sempre pelo voto popular, foi o primeiro prefeito eleito de Parauapebas, duas vezes deputado estadual e também vereador, além disso, com sua inconteste liderança, elegeu BEL MESQUITA, sua ex-esposa, duas vezes ao cargo de prefeita.

FAISAL SALMEN ocupa um alto posto na história do município de Parauapebas, bem verdade que  o município é bastante jovem, mas o ex-prefeito tem seu lugar conhecido e reconhecido, FAISAL mostra profunda sintonia com o sentimento da população local.

"Quem investigará essa quadrilha de togados, comandada por um juiz de primeira instância", denuncia Pimenta

Narrativa de PIMENTA conclui que LULA está preso por uma quadrilha de toga


terça-feira, 14 de agosto de 2018

NOBEL DA PAZ já se encontra em Brasília para registro da candidatura LULA

A presença de Adolfo Pérez Esquivel denúncia a quadrilha de toga do poder Judiciário brasileiro para o mundo




GREVE DE FOME contra os corruptos de togas, os juízes lavajateiros do PSDB e Rede Globo

Populares em greve de fome protestam contra a PRISÃO POLÍTICA do presidente LULA, arbitrariedade cometida pelo corrupto PODER JUDICIÁRIO brasileiro, receberam a visita do arquiteto, artista e ativista argentino Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz, da deputada espanhola do Podemos, Maria Spinoza, e do ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcello Lavenère.

AMOÊDO: Ele tem R$ 425 MILHÕES, mas nunca trabalhou na vida, explora o povo com juros "extorsivos" e quer ser presidente

Só no Brasil que mais o velho e descarado se auto apelida de "Novo" e ainda quer barrar o candidato do Povo




Numa terra onde o poder judiciário é uma quadrilha, o NOVO é um banqueiro que vive de juros extorsivos
No Brasil a farsa não tem limites, o que há de mais velho, o tipo de indivíduo que nunca trabalhou na vida, enriquece da forma mais desonesta que se pode imaginar, cobrando juros extorsivos da população, se apresenta sem o menor pudor, tentando se passar pelo NOVO, não é piada, um banqueiro desocupado quer impedir LULA de ser candidato e financia os vagabundos do MBL e do VEM PRA RUA.

É cada uma!

A "canalhocracia" do Poder Judiciário e do Ministério Público é uma quadrilha contra o presidente LULA e contra o povo brasileiro

Resultado de imagem para justiça prostitutaO STF e o MPF assaltam o povo e o Brasil, por Aldo Fornazieri


A decisão do Supremo Tribunal Federal e do Conselho do Ministério Público Federal de aumentar os salários de juízes e procuradores em 16,38% é cruel, ignominiosa e criminosa. É um assalto contra o povo e contra o Brasil. O teto salarial subirá para R$ 39,2 mil ou 41 vezes o valor do salário mínimo e provocará um efeito cascada de R$ 4 bilhões por ano. Os salários atuais da elite estatal já são indecentes. Junto com juízes e procuradores estão os deputados, os senadores e o alto funcionalismo dos três poderes, civil, militar e policial. Muitos desses agentes públicos, incluindo os juízes, extrapolam o próprio teto salarial, numa violação descarada das leis. Mais do que isto: agridem o povo com uma série incontável de privilégios, a exemplo do auxilio moradia, que supera a renda de 90% da população.

Esses salários exorbitantes e privilégios das elites do poder público são cruéis porque também são causas da manutenção da pobreza e da miséria da imensa maioria do povo. A renda média dos brasileiros em 2017 foi de R$ 1.268. Cerca de 106 milhões das pessoas vivem com até um salário mínimo, sendo que dessas, 57 milhões vivem com cerca de R$ 387 mensais (linha da pobreza) e 15 milhões vivem com até R$ 100, abaixo da linha da pobreza. São mais de 13 milhões de desempregado e falta trabalho para 28 milhões de trabalhadores. A decisão do STF e do MPF, além de cruel contra esses brasileiros, ofende a consciência moral, agride a dignidade das pessoas e revela a insensibilidade gélida desses assaltantes do povo que chega a causar horror.

A decisão é ignominiosa porque causa vergonha a todos os que têm humanidade na alma e expõe a desavergonhada ousadia dessas elites do setor público em assaltar os cofres da nação. Esse Estado que está aí não tem nenhum sentido universal, característico dos Estados republicanos e democráticos. É um Estado fatiado entre os vários grupos particulares que sugam o sangue e os direitos do povo para enriquecer. Há um conluio sedicioso entre as várias organizações criminosas que controlam as partes do Estado e se apoderam do orçamento: elite do funcionalismo público, juízes, procuradores, deputados, senadores, banqueiros, ruralistas e empresários de vários ramos. Uns assaltam através de altos salários e de privilégios inescrupulosos. Outros assaltam através de incentivos, benefícios fiscais, isenções, corrupções, sonegações e juros escorchantes. Quem paga tudo isto é povo pobre e trabalhador.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

SUCESSO: Vídeo convida a população para o registro da candidatura LULA

Viralizou o vídeo convidando a população brasileira para o registro da candidatura LULA, já é o maior sucesso nas redes sociais,  o ato será na próxima quarta-feira, 15/08, em Brasília




Pela primeira vez na história do Brasil

Nunca antes, na próxima quarta-feira, 15/08, é esperado cerca de 100 mil pessoas na frente do TSE em Brasília.

O recado do povo é direto

O motivo é só um - a PAIXÃO DO POVO pelo presidente LULA, a multidão quer dar o seu recado aos golpistas do "auxílio-moradia" e de outras graves ilegalidades, o povo brasileiro não aceita a perseguição ao seu maior líder.

Parece claro que o povo brasileiro quer eleger LULA/HADDAD.

Conversa Afiada: Casta da Justiça é acima - e fora da Lei!


IBOPE registra pesquisa para governo do Pará; Sob polêmica, instituto DOXA também - Carlos Santos vem aí...

As pesquisas eleitorais no Pará e os seus contratantes causam polêmicas (e mi-mi-mi)





Veja o resultado da única pesquisa que legalmente pode ser divulgada 

Por enquanto, até esta data, a única pesquisa registrada, abrangendo todo o estado do Pará, foi realizada no período de 03/02/2018 a 09/02/2018, pelo IBOPE, contratada pela FAEPA, com registro sob n° TRE/TSE PA-07845/2018, cujo resultado apontava para um vitória fácil do candidato do MDB, o ex-ministro HÉLDER, com 36%, considerando a margem de erro, ele poderia vencer a eleição já no primeiro turno, pois a soma total dos seus adversários alcançou apenas 38% (Leia aqui no IBOPE).

Nessa pesquisa, realizada em fevereiro/18, LULA tinha 43% das intenções de votos no Pará.

Pesquisa IBOPE já está em campo

O IBOPE, contratado pela TV Liberal, afiliada GLOBO, realizará uma nova pesquisa para governador e senador, com área de abrangência em todo o estado do Pará. O período da coleta de dados será de 12 a 18/08, serão entrevistados 812 eleitores e a margem de erro é de 3%. O registro da pesquisa no TRE-PA é n° PA-04188/2018.

O Ibope também perguntará qual o candidato a presidente preferido do paraense. 

A pesquisa foi contratada pela TV LIBERAL por R$ 80.769,00. 

DOXA também vai a campo

Outro instituto que também vai a campo sondar os paraenses é o DOXA, sua pesquisa foi registrada no TSE/TRE sob número PA-03208/2018. 

A pesquisa DOXA já está em andamento, começou ontem (12) e vai até o dia 18/08, entrevistará 1896 eleitores em todo o estado do Pará, para governador, senador e presidente. A margem de erro da pesquisa é de 2,25%. 

Demorou

Demorou a sair pesquisa, mas veio logo duas de uma vez só, no mesmo período, dois institutos tradicionais, IBOPE (nacional) e DOXA (regional).

Polêmica

Muita polêmica em torno do instituto DOXA, o imbróglio começou na informação divulgada pelo jornalista marabaense, HIROSHI BOGEA (aqui), envolvendo o comando da campanha do ex-ministro HÉLDER, segundo a matéria publicada no seu blog, o resultado de uma pesquisa DOXA foi totalmente desqualificado pelo candidato do MDB ao governo do Pará.

A polêmica aumentou

A polêmica sobre a pesquisa DOXA só tende a aumentar, pois o contratante é  CARLOS SANTOS, com sua empresa GRAVASOM.

CARLOS SANTOS tem sido um aguerrido cabo eleitoral do candidato o deputado MÁRCIO MIRANDA, apoiado pelo governador JATENE.

Por vezes, o "SILVIO SANTOS" paraense tem sido até agressivo contra o candidato HELDER.

A GRAVASOM pagará R$ 70 mil pela pesquisa DOXA, embora tenha capital social de apenas R$ 10 mil.

Capital social da GRAVASOM






_______________________________________________

VEJA OS DADOS OFICIAIS DA DOXA 


PA-03208/201812/08/2018
Governador, Senador18/08/2018
CNPJ: 07317438000147 - DOXA ARTE & COMUNICAO S/S LTDA / DOXAEleições Gerais 2018
189613/08/2018
17/08/2018LUIZ CARLOS FEITOSA
9477R$ 70.000,00
Não

CPF/CNPJ: 04260949000181 - GRAVASOM COMERCIAL FONOGRAFICA E PUBLICIDADE LTDA / GRAVASOM Origem do Recurso: (Recursos próprios)

Pesquisa de opinião de cunho quantitativa. Universo da pesquisa são os eleitores do Estado do Pará. Todo o processo de delineamento amostral foi através das técnicas combinadas conhecidas da Amostragem mista da conglomerada, da casuísta, da estratificada e de ordem sistemática. Sendo realizada aplicação de questionário estruturado contendo perguntas fechadas e abertas junto aos eleitores aptos e que sejam moradores da área selecionada, resultando na composição final da amostra representativa do eleitorado em estudo.

Para definição do Plano Amostral, delimitou-se inicialmente a área geográfica da Pesquisa, com as subdivisões das seis (6) mesorregiões (Metropolitana de Belém, Nordeste Paraense, Sudeste Paraense, Sudoeste Paraense, Baixo Amazonas e Marajó) (IBGE) que levou em consideração as proporções e percentagens da composição final da população investigada, cuja fonte é o próprio TSE. Determinou-se a equação adequada para estimar a grandeza da amostra para populações com características de infinitude, cuja fração de amostragem (f) foi superior a 0,95. Levou-se em consideração que o erro amostral aceitável seria de (+/-)2,25%, levando em consideração o nível do Intervalo de Confiança o estimado foi de 95%. A grandeza obtida foi de 1.896 (mil, oitocentos e noventa e seis) entrevistados. Continuamente fez a repartição da amostra por conglomerado das mesorregiões paraenses. Em cada mesorregião estabeleceu-se pela amostragem casuística pela obrigatoriedade de serem pesquisados os municípios considerados como pólos da área pesquisada, devido a sua grandeza populacional com definição dos respectivos quantitativos e que serão agregados posteriormente os demais em rateio populacional. Tendo os municípios-pólo definidos e com a correspondente grandeza da amostra parcial, iniciou-se a etapa seguinte de repartição com o restante, sendo utilizada outra técnica de amostragem para os demais municípios, que consistiu na realização de sorteio aleatório dos municípios, onde as entrevistas serão também realizadas, pelo método PPT (Probabilidade Proporcional ao Tamanho). Em cada município foi novamente sorteado os bairros ou comunidades, onde cada pesquisador foi ao encontro das unidades amostrais ¿ eleitores aptos ¿ que foram abordados em seus domicílios. Para tal usou-se a técnica combinada de amostragem sistemática ¿ com intervalo entre os domicílios de 10 ou 20 unidades ¿ e estratificada até composição final da grandeza da amostra.Dentro dos bairros ou comunidades sorteados, os respondentes amostrados foram selecionados através de quotas amostrais proporcionais em função de variáveis significativas, nas seguintes proporções, a saber: IDADE 16-24 (9,7% masculino e 10,2% feminino); 25-34 (11,8% masculino e 12,3% feminino); 35-44 (10,4% masculino e 10,7% feminino); 45-59 (10,3% masculino e 10,4% feminino); mais de 59 anos (7,2% masculino e 7,0% feminino). Grau de Instrução: Até Ensino Médio (45,6% masculino e 44,8% feminino); Ensino Superior (3,8% masculino e 5,8% femino). Nível Econômico: Economicamente ativo (masculino) 74% (feminino) 49%; Não Economicamente ativo (masculino) 26% (feminino) 51%. Em alguns casos, poderá haver ajustes nas ponderações para correção das variáveis sexo e idade, levando em conta a proporcionalidade dos percentuais supracitados, em no máximo em situações cujas diferenças sejam superiores a 3% entre o previsto no plano amostral e a efetiva coleta dos dados que fora realizada. No caso das variáveis de grau de instrução e de nível econômico do entrevistado, o critério previsto para ponderação é 1% (resultados obtidos em campo). Fontes: IBGE/Censo 2010/PNADC 2016/TSE 2018.

Para operacionalização da pesquisa, contou com uma equipe de entrevistadores e supervisores contratados pela DOXA que foram devidamente treinados para o trabalho de campo. Após os trabalhos de campo, os questionários foram submetidos a uma fiscalização de cerca de 20% (vinte por cento) dos questionários aplicados pelos entrevistadores; para verificação das respostas e da adequação dos entrevistados aos parâmetros populacionais.

A área de abrangência da coleta é (Pará). A relação das localidades selecionadas para aplicação da amostra será apresentada até o 7º dia seguinte ao registro da pesquisa, conforme expresso no art. 2º, §6º da Resolução 23.549/2017 do TSE.
_______________________________________________________________

VEJA DADOS OFICIAIS DO IBOPE

 PA-04188/201812/08/2018
Governador, Senador18/08/2018
CNPJ: 68802370000186 - IBOPE INTELIGENCIA PESQUISA E CONSULTORIA LTDAEleições Gerais 2018
81212/08/2018
18/08/2018Márcia Cavallari Nunes
6208-AR$ 80.769,00
Não

CPF/CNPJ: 04832721000119 - TELEVISAO LIBERAL SA / TELEVISA O LIBERAL Origem do Recurso: (Recursos próprios)

Pesquisa quantitativa, que consiste na realização de entrevistas pessoais, com a aplicação de questionário estruturado junto a uma amostra representativa do eleitorado em estudo. Pesquisa realizada no Estado do Pará.


Plano amostral e ponderação quanto a sexo, idade, grau de instrução e nível econômico do entrevistado; intervalo de confiança e margem de erro:
Representativo do eleitorado da área em estudo, elaborada em três estágios. No primeiro estágio faz-se um sorteio probabilístico dos municípios, onde as entrevistas serão realizadas, pelo método PPT (Probabilidade Proporcional ao Tamanho), tomando o eleitorado como base para tal seleção. No segundo estágio faz-se um sorteio probabilístico dos setores censitários, onde as entrevistas serão realizadas, pelo método PPT (Probabilidade Proporcional ao Tamanho), tomando a população de 16 anos ou mais residente nos setores como base para tal seleção. No terceiro e último estágio, dentro dos setores sorteados, os respondentes são selecionados através de quotas amostrais proporcionais em função de variáveis significativas, a saber: IDADE: 16-24 (masculino) 24% (feminino) 22%; 25-34 (masculino) 25% (feminino) 25%; 35-44 (masculino) 21% (feminino) 22%; 45-54 (masculino) 15% (feminino) 15%; 55 e+ (masculino) 15% (feminino) 15%; INSTRUÇÃO: Até Ensino Médio (masculino) 89% (feminino) 85%; Ensino Superior (masculino) 11% (feminino) 15%; NÍVEL ECONÔMICO: Economicamente ativo (masculino) 74% (feminino) 49%; Não Economicamente ativo (masculino) 26% (feminino) 51%. Está prevista eventual ponderação para correção das variáveis sexo e idade, com base nos percentuais anteriormente mencionados, caso ocorram diferenças superiores a 3 pontos percentuais entre o previsto na amostra e a coleta de dados realizada. Para as variáveis de grau de instrução e nível econômico do entrevistado, o fator previsto para ponderação é 1 (resultados obtidos em campo). O nível de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada considerando um modelo de amostragem aleatório simples, é de 03 (três) pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. FONTE DOS DADOS: Censo 2010 | PNADC 2016 | TSE 2018.


Sistema interno de controle e verificação, conferência e fiscalização da coleta de dados e do trabalho de campo:
Para a realização da pesquisa, utiliza-se uma equipe de entrevistadores e supervisores contratados pelo IBOPE INTELIGÊNCIA PESQUISA E CONSULTORIA LTDA. devidamente treinados para o trabalho. Após os trabalhos de campo, os questionários são submetidos a uma fiscalização de cerca de 20% (vinte por cento) dos questionários aplicados pelos entrevistadores; para verificação das respostas e da adequação dos entrevistados aos parâmetros amostrais.


Dados relativos aos municípios e bairros abrangidos pela pesquisa. Na ausência de delimitação do bairro, será identificada a área em que foi realizada a pesquisa(conforme §6º. do art. 2º. da Resolução-TSE nº. 23.549/2017, Até o sétimo dia seguinte ao registro da pesquisa, será ele complementado com os dados relativos aos bairros abrangidos; na ausência de delimitação do bairro, será identificada a área em que foi realizada):
A área de abrangência da coleta é (Pará). A relação das localidades selecionadas para aplicação da amostra será apresentada até o 7º dia seguinte ao registro da pesquisa, conforme expresso no art. 2º, §6º da Resolução 23.549/2017 do TSE.


domingo, 12 de agosto de 2018

Parauapebas: CHICO DAS CORTINAS, ex-prefeito, é candidato a deputado estadual



Aprovado 

O ex-prefeito de Parauapebas, CHICO DAS CORTINAS, teve seu nome aprovado pela Convenção do PRB para concorrer ao cargo de deputado estadual.

Chico das Cortinas

Francisco Alves de Souza, o CHICO DAS CORTINAS, foi o segundo prefeito eleito de Parauapebas, governou no período de 1993 a 1996.

Em 2016, CHICO DAS CORTINAS tentou novamente chegar à prefeitura municipal, obtendo a 5.846 votos, ficando em 4° lugar na disputa.

sábado, 11 de agosto de 2018

PARAUAPEBAS: A Coligação "ESPERANÇA RENOVADA" tem VALMIR, GESMAR e CHAMONIZNHO disputando para deputado estadual

Coligação "ESPERANÇA RENOVADA" é a mais forte para a ALEPA, juntou MDB/PSD e DC - é vinculada à candidatura de  HÉLDER 



"Tamos juntos e misturados" - todo mundo é Hélder

Será difícil explicar ao eleitor de Parauapebas a salada que foi montada na coligação do MDB, PSD e o DC (antigo PSDC),  sendo que em Parauapebas 3 nomes ganham destaque e deixam o pleito muito confuso: GESMAR, VALMIR e CHAMONZINHO.

Foi contra 

Bem verdade, o deputado Gesmar Costa se posicionou contra o apoio do PSD à candidatura do MDB, mas foi voto vencido dentro do partido.

Agora, é fato, todos do PSD estarão com o MDB, ao menos formalmente, ficarão vinculados à candidatura de HELDER ao governo estadual.

GESMAR x VALMIR 

O PSD vem com 2 candidatos disputando o mesmo espaço no município de Parauapebas, GESMAR e VALMIR, algo que se pode creditar a teimosia do ex-prefeito, afinal, GESMAR é candidato a reeleição, tem uma boa atuação na Assembléia Legislativa Estadual (ALEPA), muitos o consideram o melhor deputado que Parauapebas já teve, seria natural que o PSD prestigiasse sua candidatura, mas o ex-prefeito insiste em também disputar o mesmo cargo.

Um mar de votos

O fato é que a "ESPERANÇA RENOVADA" é uma coligação que exigirá uma votação muito expressiva dos seus candidatos, algo em torno de 35 a 40 mil votos, no mínimo, para que se alcance uma cadeira na ALEPA, tornando a missão dos candidatos do PSD em Parauapebas algo muito difícil.

Gesmar 

A população de Parauapebas, independente de simpatia por partido A ou B, tem aprovado a atuação do deputado GESMAR (PSD) na Assembléia Estadual, o que o poderia ajudar para sua reeleição, mas diante da ambição do ex-prefeito VALMIR MARIANO, que insistiu em disputar uma vaga para o mesmo cargo, dividindo o partido e promovendo confusão no eleitorado local, tal circunstância  será muito prejudicial ao PSD, ao GESMAR e ao município de Parauapebas.

GESMAR merecia ter seu mandato renovado, mas se nem o PSD trabalha pra isso, que fazer!?

Coligação "pesada"

A Coligação 'ESPERANÇA RENOVADA' é a favorita para ter a maior votação no pleito de 2018, vem com nomes fortes para a disputa, com destaque para: Coronel Neil (reeleição), Jefferson Lima, Martinho Carmona (reeleição),  Wanderlan Quaresma (reeleição),  Iran Lima (reeleição), Carlos Maneschy, Eraldo Sorge (reeleição), José Scaff (reeleição); Ozório Juvenil (reeleição); Gesmar Costa (reeleição); Chamonzinho e Valmir Mariano.

LEIA A ATA DA COLIGAÇÃO "ESPERANÇA RENOVADA"

"Aos cinco (5) dias do mês de agosto do ano de dois mil e dezoito, em Belém, capital do Estado do Pará, HELDER ZAHLUTH BARBALHO, HELENILSON CUNHA PONTES E ABRAÃO BENASSULY NETO, respectivamente, Presidentes no Estado do Pará, do Movimento Democrático Brasileiro – MDB, do Partido Social Democrático – PSD e da Democracia Cristã - DC, no exercício dos poderes que lhes foram conferidos pelas respectivas Convenções Partidárias, reuniram-se para deliberar sobre a celebração de coligação partidária para as eleições proporcionais ao cargo de Deputado Estadual, a se realizar no dia 7 de outubro de 2018, nos termos da Legislação Eleitoral vigente. Os Partidos supra citados, através de seus representantes legais no Estado do Pará, decidiram formalizar para todos os fins e efeitos legais, coligação para as eleições proporcionais ao cargo de Deputado Estadual, do próximo dia 7 de outubro, denominada “ESPERANÇA RENOVADA”, concorrendo ao pleito com os seguintes candidatos a Deputado Estadual aprovados nas convenções partidárias dos respectivos partidos, conforme ata das Convenções anexas: Movimento Democrático Brasileiro - MDB: ANA CLÁUDIA DE MORAES NEVES, Nº 15551; CLÁUDIA CILENE ALVES ARAÚJO, Nº 15234; DILMA MARIA CARDOSO CAVALCANTE, Nº 15333, ELIETE CRISTINA ALVES BORGES, Nº 15111; HENILDA DIAS MIRANDA SANTOS, Nº 15120; MARIA INES MONTEIRO DA ROSA, Nº 15235; MARIA DE NAZARÉ SILVA MÂNCIO, Nº 15211; MARILIA TELLES RODRIGUES, Nº 15150; MARGARETE APARECIDA PIMENTA SOARES DA SILVA, Nº 15999; ROSALINA DE MORAES ARRAES, Nº 15190; VANESSA CORREA VASCONCELOS, Nº 15151; VERA MARIA PEREIRA DE ANDRADE, Nº 15554; ROSEMERY GARCIA BRITO SERRA, Nº 15001; ANTONIO ROCHA, Nº 15195; ALBERTO LOPES MAIA FILHO, Nº 15007; AMERICO LINS DA SILVA LEAL, Nº 15250; CARLOS EDILSON DE ALMEIDA MANESCHY, Nº 15955; CLAUDIONOR MOREIRA DA COSTA, Nº 15777; EMERSON FERREIRA MONSEF, Nº 15444; ERALDO SORGE SEBASTIÃO PIMENTA, Nº 15000; FRANCISCO DAS CHAGAS SILVA MELO FILHO, Nº 15555; IRAN ATAÍDE DE LIMA, Nº 15678; JEFFERSON ELY VALE DE LIMA, Nº 15123; JOSÉ MAURICIO DE ANDRADE CAVALCANTI JUNIOR, Nº 15115; GEOVAN PINHEIRO MARTINS, Nº 15015; JOÃO CLEBER DE SOUZA TORRES, Nº 15002; JOÃO DE CASTRO GLÓRIA, Nº 15005; JOÃO MARIA SILVA RODRIGUES, Nº 15700; JOAQUIM NOGUEIRA NETO, Nº 15222; JOSÉ ANTÔNIO SCAFF FILHO, Nº 15500; MARTINHO ARNALDO CAMPOS CARMONA, Nº 15456; OSÓRIO ADOLFO GÓES DE SOUZA, Nº 15177; PAULO SÉRGIO RODRIGUES TITAN, Nº 15200; RENÉ MARCELO VALENTIM, Nº 15333; VICTOR CORREA CASSIANO, Nº 15111; WANDERLAN AUGUSTO BRANDÃO QUARESMA, Nº 15615; WENDERSON AZEVADO CHAMON, Nº 15100; PARTIDO SOCIAL DEMOCRÁTICO - PSD: NEIL DUARTE DE SOUZA, número 55.000; GESMAR ROSA DA COSTA, número 55.100; GUSTAVO BEMERGUY SEFER, número 55.123; ANTÔNIO ALYSSON CUNHA PONTES, número 55.555; SILVANO OLIVEIRA DA SILVA, número 55.190; ANA PAULA SILVA GOMES, número 55.500; VALMIR QUEIROZ MARIANO, número 55.777; MICHELE BEGOT OLIVEIRA BISCARO, número 55.055; MARCELO FRANÇA BORGES, número 55.155; DURVAL PANTOJA DA ROCHA, número 55.111; WELLGTON FERREIRA DA SILVA (Jiripoca), número 55.888; HELEM REGINA PEREIRA RIBEIRO, número 55.001, HABIO CICERO CALDAS BARBOSA, número 55.666; Democracia Cristã – DC: AIMORÉ MARINHO DE CASTRO, número 27.000; ANTONIA DIANA MOTA DE OLIVEIRA, número 27.777; JOSÉ DANIEL ANDION FARIAS, número 27.333; JOSUÉ DOS REIS DE SOUSA, número 27.123; TIAGO LIMA FRADE PALMEIRA, número 27.555. Ficou decidido ainda que o Representante da Coligação Partidária junto ao Tribunal Regional Eleitoral – TRE/PA será o Sr. ROBERTO ZAHLUTH DE CARVALHO, tendo a coligação sede à Rua dos Mundurucus 1955, Batista Campos, Belém, Pará, à sede do MDB. Decidiu-se ainda, conforme acordo com os partidos coligados, que o MDB e o representante aqui designado ficarão à frente dos atos e decisões necessárias à prática dos atos perante a Justiça Eleitoral, incluindo as comunicações, atos de registro, impugnação, podendo constituir advogados em nome da Coligação, representar a Coligação para todas as finalidades, inclusive perante órgãos bancários e tudo mais que for necessário, sem prejuízo da responsabilidade pessoal e de cada partido por seus filiados e seus atos de propaganda e seus candidatos, podendo requerer ajustes que se mostrem necessários, respeitando-se os limites e prazos firmados pela legislação eleitoral e jurisprudência para cada caso e cargo eletivo, ainda diante de fatos novos e mudança jurisprudencial. Definiu-se ainda que os candidatos escolhidos entregassem na Secretaria do MDB, para as providências necessárias, os documentos para o registro das candidaturas, nos termos da legislação e conforme solicitado, em duas vias, lembrando que todos deveriam providenciar as declarações de bens devidamente atualizadas, bem como as certidões criminais e eleitorais cabíveis, atendendo ainda aos requisitos de envio de documentos digitalizados. Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião da Executiva Estadual, conforme definido em Convenção Partidária, da qual, para os efeitos legais. Nada mais havendo a ser tratado, foi lavrada a presente ata que depois de lida e achada conforme vai assinada pelos representantes legais dos partidos coligados. 

HELDER ZAHLUTH BARBALHO Presidente do Movimento Democrático Brasileiro - MDB HELENILSON CUNHA PONTES Presidente do Partido Social Democrático – PSD 
ABRAÃO BENASSULY NETO Presidente da Democracia Cristã - DC"

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

BOMBA: FRAUDE EM LICITAÇÃO - CORONEL detona o general MOURÃO - a reportagem é do jornal espanhol EL PAÍS

"Existe uma grande maioria no Exército que trabalha bem e que é honesta. Mas existe uma parcela, que não é pequena, que sob uma falsa justificativa moral, é conhecida como a tropa que resolve problema, ainda que ilegalmente ou de qualquer maneira", explica. "Ninguém vai sair com uma mala de dinheiro, mas o camarada pode sair promovido a general ou receber uma missão no exterior como prêmio"




Os danos ao EXÉRCITO BRASILEIRO já provocados pela triste figura do Mourão, o general de fraldão, são inestimáveis, começando por aceitar ser subalterno do despreparado Bolsonaro, que saiu do Exército para não ser expulso, agora, um Coronel revela quem é o verdadeiro MOURÃO, leia a matéria publicada no jornal espanhol, EL PAÍS (CLIQUE AQUI).

________________________________________________

Coronel do exército destrói falso moralismo do MOURÃO, O GENERAL DE FRALDÃO - abaixo uma pequena parte da reportagem

"Diante de sucessivos atrasos e constrangimentos, o Exército Brasileiro designou em julho de 2012 o general Antonio Hamilton Martins Mourão, que já participava do projeto de forma discreta como vice-chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército, para sua primeira missão na Espanha com o objetivo de acompanhar e, nas palavras de Pierrotti, "destravar o andamento do projeto". "Existe uma grande maioria no Exército que trabalha bem e que é honesta. Mas existe uma parcela, que não é pequena, que sob uma falsa justificativa moral, é conhecida como a tropa que resolve problema, ainda que ilegalmente ou de qualquer maneira", explica. "Ninguém vai sair com uma mala de dinheiro, mas o camarada pode sair promovido a general ou receber uma missão no exterior como prêmio".

Nessa viagem, Mourão e outros militares levaram suas respectivas esposas. Uma programação especial fora elaborada pelo adido militar brasileiro na Espanha para elas durante a missão de uma semana. No primeiro dia, um jantar foi oferecido para todos da missão pelo representante comercial da Tecnobit, Tomas Sarobe Piñeiro. Traje: esporte fino, previa o convite. A prática de oferecer jantares pelos executivos da empresa aos oficiais seria recorrente durante todo o processo. “Eu mesmo presenciei atitudes estranhas envolvendo viagens, jantares e pagamentos nesse projeto”, diz Pierrotti. “Em dezembro de 2013, depois que eu reprovei pela sexta vez o simulador, escrevi um relatório para o comando do Exército e disse que um dos diretores da Tecnobit me chamou para um jantar para resolver todos os problemas. Eu suspeitava que ele ia me oferecer alguma coisa durante o encontro e não aceitei o convite”.

Em uma reunião posterior a esse relatório, em janeiro de 2014, Pierrotti conta ter dito a Mourão que estava preocupado e que poderia assessorá-lo tanto na parte técnica como na parte jurídica, já que é formado em direito. "Mas ele ameaçou me mandar para a prisão". Dois meses depois, em março de 2014, o general assinou um certificado de que a empresa havia terminado seu trabalho, apesar de mais um parecer negativo de Pierrotti, do fiscal do contrato e de outros militares envolvidos no projeto. "Entramos em uma reunião na AMAN [Academia Militar das Agulhas Negras] com Mourão para prepará-lo para um encontro com representantes da Tecnobit. Ficamos ali conjecturando ideias e propostas para dar continuidade ao projeto. Uns vinte minutos depois, ele se encontrou com o Tom Sarobe no corredor e disse tudo o que a gente tinha falado pra ele", relata Pierrotti. "Isso pode se enquadrar em quebra de sigilo profissional. Ele entregou de bandeja todos os nossos argumentos para o representante da empresa. De que lado ele estava nisso?"

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Parauapebas: Léo Mendes faz uma análise dos candidatos a deputado federal do município

O Vazio do Espaço, por Léo Mendes

Há duas maneiras de fazer política. Ou se vive “para” a política 
ou se vive “da” política. Nessa oposição não há nada de exclusivo. (...) 
(Max Weber) 


Certa vez, durante entrevista para um de seus biógrafos, o primeiro ministro inglês, Winston Churchill, considerado um dos mais importantes líderes políticos do século XX, afirmou que a grande diferença entre a guerra e a política era que na primeira “a pessoa só pode ser morta uma vez, (...) na [segunda], diversas vezes”. 

Essa foi a imagem que me veio à cabeça ao me dispor a analisar o rol de candidatos a deputado federal que se oferecem ao pleito de outubro vindouro em Parauapebas! Pois, além da inexpressividade político-eleitoral dos nomes, evidencia-se pari passu o descaso dos partidos, de suas lideranças, para tais candidaturas em nossa cidade. 

Dispostos os nomes, logo percebemos que para os dirigentes estaduais dos partidos, de qualquer espectro político-ideológico, a aposta é no vazio: de projetos, de propostas, de lideranças; de modo que as “candidaturas federais” de Parauapebas, nada preencham, deixando “espaço político” para candidaturas exógenas! 

Ou, como se costuma dizer no jargão político: nossos/as candidatos/as não apresentam musculatura eleitoral nem para “escada” e, alguns, sequer para “degraus”; uns nada tem a ganhar e quase todos nem mesmo o que perder, a não ser, talvez, o tempo. 

É assim que vejo a postulação, por exemplo, de Cláudio Almeida (atualmente no PTC). De 1992 pra cá, não consigo me lembrar de eleição na qual o dito não tenha disposto seu nome e, salvo numa ou noutra, ainda nos anos 1990, tenha chegado ao fim! Sem querer ser injusto, acredito que seu mais notável interesse seja tentar manter a influência, se ainda lhe resta alguma, sobre a estrutura do partido ou da campanha. Nada além! 

Outro não parece ser o caso de Frank James, no PRTB, ou do Pastor Wesley do PSDB! Embora, nestes casos, há também a necessidade de candidaturas para a composição das coligações; e, especificamente neste último, não se possa descartar os interesses político-eleitorais de sua igreja! 

Não muito distante dessa premissa, mas por motivações diferentes, podemos também incluir a disposição da Enfermeira Leonice do PSOL: candidatura que, indiscutivelmente, preenche a lacuna ideológica, mas, nem por isso abarca o vazio eleitoral de seu partido além dos nichos que acaso já possua. 

Numa proporção menos contundente, mas não tão distante, nos parece, devemos também incluir no nome da professora Francisca Ciza do DEM; ainda que esta, não podemos desconsiderar, traga certa experiência em campanhas, o mandato de vereadora e a necessidade de palanque para o postulante a governador de seu partido, Marcio Miranda, o que pode lhe assegurar um mínimo de estrutura material para a disputa. 

Já Joelma Leite (PSD), embora também conte com o mandato de vereadora e a experiência de campanha, não conseguimos vislumbrar em sua pretensão nada além de uma tentativa de manter seu nome na memória da população ao tempo que se dispõe a degrau dos “grandes” de seu partido; assim, escapa da “briga de foice” em que se enroscaram os líderes municipais da sua legenda, no caso Gesmar Costa e Valmir Mariano, que tendem a se eliminarem mutuamente. 

Por fim, não nos esqueçamos, temos o caso de Miquinha da Palmares (PT) que, devido as especificidades de seu partido, talvez seja, dentre todos os postulantes “federais” de Parauapebas, o que tenha mais consciência de seu papel de ser “mais do mesmo”, isto é, sua candidatura não está posta pra preencher um “espaço vazio”, mas para assegurar que continue “vazio”. 

Em outras palavras, Miquinha deverá “capturar” os eleitores que já se dispunham a votar num candidato petista, principalmente na zona rural de Parauapebas, e/ou com algum vínculo preexistente com o partido e/ou com os movimentos sociais. Desse modo, mais do que somar, sua candidatura evita subtrair!

Caso possamos, então, chegar a qualquer conclusão nesta breve e precária análise acerca das candidaturas a “deputância federal” que se oferecem para Parauapebas é que, no quinto colégio eleitoral do Pará, este espaço político continuará vazio, como, aliás, sempre esteve!

Redes sociais transmitem debate com LULA/HADDAD/MANUELA nesta quinta-feira (9)

Gleisi Hoffmann, Fernando Haddad, Sérgio Gabrielli e Manuela D'Ávila serão as vozes do ex-presidente e apresentarão programa que vai tirar o Brasil da crise




LULA prometeu e, enquanto é mantido injustamente como preso político, sua voz segue ecoando por milhões de outras vozes espalhadas por todo o Brasil. E nesta quinta-feira (9) quem terá a missão de falar em nome do ex-presidente, durante debate transmitido em suas redes sociais a partir das 22h, será a presidenta Nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, o porta-voz de Lula, Fernando Haddad, um dos coordenadores do Plano Lula de Governo Sérgio Gabrielli e Manuela D’Ávila.

A iniciativa apresentará aos brasileiros e brasileiras as propostas para tirar o país da crise e acabar com os retrocessos impostos desde o golpe de 2016. Os internautas poderão acompanhar a transmissão por todas as redes oficiais de Lula: Facebook, Twitter, Youtube e Instagram.

Da Redação da Agência PT de Notícias

HELDER conseguiu a maior coligação da história, são 18 partidos; Jatene fracassa ao tentar conter a "revoada" da base tucana; PAULO ROCHA, com apoio do presidente LULA, vem tentar o segundo turno




União - um fato

A convenção do ex- ministro HELDER, realizada no último dia (4), foi a maior da história do Pará, nunca antes um nome conseguiu motivar tanta união em torno de uma candidatura oposicionista, esse fato já evidencia a fragilidade do fim de governo Jatene, o reinado do PSDB no Pará parece algo muito próximo.

Em 2014, HELDER esteve bem perto, mas JATENE deu o "golpe" do  "cheque moradia" 

Nas eleições de 2014, HELDER esteve a menos de 5 mil votos para vencer a eleição no primeiro turno, o governador JATENE conseguiu reverter a derrota nas urnas, devido ao uso e abuso na distribuição do CHEQUE MORADIA (leia AQUI), comprovada a fraude eleitoral, JATENE foi cassado, mas até hoje permanece no cargo, devido ao "aparelhamento" do corrupto judiciário brasileiro pelo PSDB.

Carisma e competência

Para conseguir a UNIÃO de 18 partidos, gostemos ou não, é preciso reconhecer que HELDER tem competência política e muito carisma, isso ajuda bastante, mas não seria o suficiente, o fato é que a passagem de HELDER por vários cargos importantes no governo federal, nos últimos anos, o fez consolidar uma imagem de bom administrador.

Todos os municípios

HELDER fez uma boa gestão no ministério da Integração Nacional, no ministério da Pesca e Aquicultura e na Secretaria Nacional dos Portos, isso lhe permitiu consolidar uma imagem de administrador público muito competente,  em todos os aspectos, técnico e político, além de enraizar na população do estado a sensação de que se trata de alguém que se importa com o Pará e com o seu povo.

Enquanto esteve ministro, é fato, cada um dos municípios paraenses foi foco da atenção da gestão do ex-ministro HÉLDER, é inconteste.

É preciso reconhecer

Não existe eleição ganha, os 4 concorrentes de Helder, notadamente os dois mais fortes, PAULO ROCHA (PT) e MÁRCIO MIRANDA (DEM), tem méritos e farão uma boa disputa, mas é preciso reconhecer o fenômeno que vive o Pará essa unidade ampla unidade em torno do candidato HÉLDER, é de impressionar.

Quem não começar, de pronto, reconhecendo que HELDER conseguiu um feito que o coloca em situação de grande vantagem nesse início oficial de campanha, apenas facilitará o trabalho do candidato do MDB nas urnas de 2018.

Não há dúvidas, HELDER vive seu melhor momento!

O desafio de Paulo Rocha (PT), com apoio do presidente LULA, e Márcio Miranda (DEM), com apoio de Jatene, é levarem a eleição para o segundo turno!

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

MARCELO PARCEIRINHO, vereador de Parauapebas, é candidato a deputado estadual pelo PSC

Resultado de imagem para vereador marcelo parcerinho
Marcelo Parceirinho
ELEIÇÕES 2018: MARCELO PARCEIRINHO, o caminho mais curto entre o município de Parauapebas e a ALEPA

Com o vereador Marcelo Parceirinho, o PSC, que nesta eleição apóia o ex-ministro HELDER para governador  do Pará, oferece uma boa oportunidade ao município de Parauapebas.

Estratégia correta pode beneficiar Parauapebas


O vereador MARCELO PARCEIRINHO tem chances reais de ser eleito deputado estadual em 2018, devido a estratégia do PSC para aumentar a sua bancada na Assembléia Legislativa do Pará (ALEPA).

O PSC, partido do vereador MARCELO PARCEIRINHO, em 2018, utilizará a mesma estratégia de 2014, quando disputou sem coligação a eleição para a Assembléia Legislativa do Estado do Pará (ALEPA), apresentando 52 candidatos e obtendo 164.609 votos, conseguindo eleger 2 deputados estaduais, um deles, JAQUES DA SILVA NEVES, com apenas 12.952 votos.

Parauapebas vota em "prata da casa"

Para ter idéia, o acerto de Marcelo Parceirinho em aceitar o desafio de concorrer a uma vaga de deputado estadual, a votação obtida pelo candidatos "natos" de Parauapebas tem sido impressionante, o eleitor local tem sido bastante generoso com os candidatos "prata da casa", em 2014, Gesmar (PSD) alcançou 20.137 votos, ficando em primeiro lugar no município, em 2018, com pouco mais da metade disso, o vereador Marcelo Parceirinho pode conquistar um mandato de deputado estadual.

Veja a votação dos 5 primeiros colocados em Parauapebas, dos candidatos "prata da casa", em 2014

GESMAR (PSD) - 20.137 votos (total no estado 32.323)
COUTINHO (MDB) - 8.126 votos (total no estado 9.546)

*ADELSON (PSC) - 7.375 votos (total no estado 9.237)
IRMÃ LUZINETE (PV) - 6.545 votos (total no estado 9.505)
*ELIENE SOARES (PT) - 4.841 votos (total no estado 5.470)
______________________________________

* Adelson, em 2014, teve o registro indeferido pela justiça eleitoral. Eliene foi candidata a deputada estadual pelo PT, hoje é vereadora pelo MDB.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

A GLOBO e o "SISTEMA" querem esconder quem é HADDAD - Ele é LULA para presidente!

Haddad é LULA e LULA é Haddad para presidente em 2018, afirma o PT


Resultado de imagem para haddad é lula


Quem é HADDAD, o representante de Lula? Conheça sua trajetória

(Por Fabricio Pereira da Silva/Jean Spritzer)

"FernandoHaddad nasceu em São Paulo, no dia 25 de janeiro de 1963.

Graduou-se em direito em 1985, concluiu mestrado em economia em 1990 e doutorado em filosofia em 1996. Todas essas atividades foram realizadas na Universidade de São Paulo (USP). Exerceu a advocacia, e a partir de 1990 foi professor de ciência política na USP. Haddad também é escritor com 5 livros publicados. Filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (#PT) em 1983. 

Então envolvido com o movimento estudantil, foi eleito presidente do centro acadêmico de sua faculdade em 1985.

Marta Suplicy foi eleita prefeita de São Paulo nas eleições municipais de 2000, pela legenda do PT. Durante a gestão, Haddad foi convidado para atuar como chefe de gabinete da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico da Prefeitura, então sob o comando de João Sayad. Ocupou o cargo entre os anos de 2001 e 2003, e enquanto chefe de gabinete chegou a exercer interinamente a função de secretário.

Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito presidente da República nas eleições de 2002, pela legenda do PT. Durante sua gestão, Haddad foi nomeado, em junho de 2003, assessor especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, então comandado por Guido Mantega. Nessa função ele participou da elaboração do projeto das parcerias público-privadas (que ficaram conhecidas como PPP’s). A iniciativa do governo federal visava, mediante modificações na legislação que regula o tema, permitir a realização de investimentos mistos por parte do Estado e da iniciativa privada na área de infraestrutura. O projeto das parcerias público-privadas foi finalmente aprovado em dezembro de 2004.

Em fevereiro de 2004, com a ida de Tarso Genro para o Ministério da Educação, passou a exercer a função de secretário-executivo do referido Ministério. Durante sua gestão, coordenou o grupo executivo que elaborou o projeto de reforma universitária, defendida pelo governo federal. Além disso, levou a cabo um dos projetos mais importantes ligados àquela pasta: o Programa Universidade para Todos (#ProUni).

O ProUni tinha como objetivo manifesto democratizar o acesso à educação superior e, para isso, estimulou o ingresso de jovens de baixa renda em universidades privadas através de isenções fiscais por parte do governo federal às instituições de ensino. O projeto havia sido desenvolvido por Haddad e apresentado aos empresários do setor ainda durante sua atuação no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e teria sido inspirado em projeto semelhante implantado durante o mandato de Marta Suplicy na Prefeitura de São Paulo (Folha de S. Paulo, 13/7/05).

Ao longo do ano de 2005, Tarso Genro deixou o Ministério da Educação para ocupar a presidência do partido e, consequentemente, em 29 de julho de 2005, Haddad assumiu o Ministério da Educação, indicado pelo ministro demissionário.
Sua atuação à frente do Ministério foi marcada pela reivindicação da centralidade de todos os projetos desenvolvidos pelo Ministério. Nesse sentido propugnou uma visão integrada e sistêmica da educação, defendendo a igualdade em importância de todas as etapas do ciclo educacional. Essa concepção representou uma continuidade com a gestão de Genro, algo que se refletiu também na manutenção e desenvolvimento de projetos que já haviam sido implantados pelo ministro anterior.

Em sua gestão Haddad seguiu desenvolvendo o ProUni, ampliando através dele a oferta de vagas no ensino superior. A referida ampliação de vagas se deu também através da criação e implantação de novas universidades e campi (com isso criando novos cursos de graduação e pós-graduação e contratando novos professores), buscando interiorizar a oferta do ensino superior. Essas duas iniciativas citadas já haviam sido implantadas na gestão de Genro. Outro projeto nesse sentido foi o do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), destinado a financiar através da Caixa Econômica Federal (CEF) a educação superior de estudantes de baixa renda matriculados em instituições privadas de ensino superior. 

Desde que assumiu o Ministério, Haddad participou diretamente da articulação para a aprovação pelo Congresso Nacional do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O fundo, após longos debates no Congresso Nacional, foi finalmente aprovado em dezembro de 2006. Segundo o Ministério, o novo fundo permitiu consolidar um repasse maior de recursos para a educação básica (da creche ao ensino médio) aos estados e municípios. O Fundeb substituiu o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). Entre as diferenças dos dois, deve-se destacar que o Fundef financiava apenas o ensino fundamental, enquanto o Fundeb garante e regula a destinação de recursos também para o ensino médio. Além disso, o novo fundo recebe maiores recursos que o anterior, e os extrai de uma base mais ampla de impostos e transferências dos estados e municípios. 

Nas eleições de 2006, o presidente Lula foi candidato à reeleição, pela legenda do PT, obtendo sucesso no pleito. Com o início de seu segundo mandato, Haddad permaneceu ocupando o cargo de ministro da Educação. 

Em abril de 2007, o Ministério da Educação lançou o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), conjunto de mais de quarenta ações (algumas já em andamento na ocasião) com o objetivo de melhorar as condições do ensino público, elaborado com a participação de setores da sociedade civil, profissionais de ensino e especialistas. O lema do programa, “da creche à pós-graduação”, reafirmou a visão “sistêmica” propugnada pela gestão de Haddad e anteriormente pela de Genro. O PDE foi logo considerado como o “PAC da Educação”, numa referência ao Plano de Aceleração do Crescimento implantado pelo governo federal para impulsionar iniciativas de infraestrutura nacional.

A partir de então o PDE passou a reunir a maior parte das iniciativas do Ministério. Entre elas, o programa propugnou: a nova estruturação do ensino fundamental em nove anos; a criação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ide-, indicador concebido para avaliar a qualidade das escolas, com o estabelecimento de metas a serem perseguidas)-; a expansão das escolas técnicas; a alfabetização de jovens e adultos, através do Programa Brasil Alfabetizado; e o estabelecimento de um piso salarial nacional para os professores. 

Ainda no ano de 2007, lançou o Educacenso, censo escolar realizado através da internet, tendo por objetivo recensear e acompanhar alunos, professores e escolas de educação básica pública e privada. As informações recolhidas anualmente desde então vêm sendo empregadas, segundo o Ministério, numa implantação mais racionalizada das políticas de transporte escolar, alimentação, distribuição de livros didáticos, saúde escolar, entre outras. Os dados do Educasenso serviriam de base também para o cálculo do Ideb.

Durante sua administração buscou-se implantar processos de avaliação do ensino (cujos resultados seriam divulgados publicamente) e desenvolver metas para o setor. Foi criada a Provinha Brasil, a fim de avaliar a alfabetização de alunos no segundo ano do ensino fundamental e mapear eventuais dificuldades de alfabetização a tempo de serem revertidas. Idem para a Prova Brasil, que, por sua vez, analisaria o desempenho em língua portuguesa e matemática dos alunos do ensino básico, enquanto o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) avaliaria o rendimento dos alunos dos cursos de graduação, tendo substituído o método de avaliação conhecido como “Provão”, implantado durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Por fim, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) avaliaria o desempenho dos alunos do ensino médio nas principais disciplinas oferecidas nesse ciclo.

Sob a gestão de Haddad na pasta ministerial, o Enem tornou-se principal referência para a aprovação de candidatos no sistema universitário, apontando na direção de uma possível transformação em longo prazo do modelo vigente até então, baseado nos vestibulares. 

Em 2011, foi avalizado pelo PT enquanto possível pré-candidato a prefeito de São Paulo no pleito a ser realizado no ano seguinte. Para dedicar-se ao tento, deixou a pasta na ocasião da reforma ministerial promovida pela presidente Dilma Rousseff em janeiro de 2012, quando foi sucedido por Aloízio Mercadante.
Em 28 de Outubro de 2012 elegeu-se prefeito da capital paulista.

Empossado em janeiro de 2013, comprometeu-se com a renegociação da dívida com a União, a elevação da qualidade dos serviços públicos e a elaboração e implementação de um novo plano diretor para a cidade. Haddad foi consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) da USP e, em 2015, retomou a atividade docente paralelamente ao exercício do mandato. Fez parte do conselho editorial da Editora Fundação Perseu Abramo e de periódicos, tais como Teoria e Debate.

Apesar da origem libanesa, Haddad é natural de São Paulo. Além de político, advogado e professor, o petista é também escritor, já tendo publicado cinco livros, são eles: O Sistema Soviético e sua decadência (1992), Em defesa do socialismo (1998), Desorganizando o consenso (1998), Sindicatos, cooperativas e socialismo (2003) e Trabalho e Linguagem para a Renovação do Socialismo (2004). 

Fernando Haddad, filho de Khalil Haddad e de Norma Thereza Goussain é casado com Ana Estela Haddad, há 25 anos. Desta união nasceram dois filhos, Carolina e Frederico."