quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Fatos da semana: um prefeito e um projeto

Resultado de imagem para eldan parauapebas
Eldan Nascimento
Alguns acontecimentos desta semana não são prenúncios de uma reação econômica para os anos vindouros em Parauapebas. Pelo contrário, lançam algumas sombras de pessimismo sobre o nosso crescimento.

O primeiro fato é que havia uma ordem de prisão, mesmo que temporária – e mesmo que tenha sido revogada – para o prefeito eleito Darci Lermen. As dúvidas sobre questões obscuras dos anos em que esteve à frente do Executivo ainda não foram totalmente retiradas. A prova é que a justiça está de olho no “ex”, e futuro prefeito.

Darci já não contava com a maioria da população ao seu lado. Se contarmos os votos inválidos, e os válidos que não foram confiados ao neo-pemedebista – em um total de 79.272 votos, os seus 52.049 votos configuram então apenas 40% de apoio popular do qual dispõe o nosso prefeito. Ou seja, já deu a largada tendo que provar muita coisa, pra muita gente. Começar um governo dessa forma não é bom para o crescimento econômico do município.

Darci tem que provar para seus 40% de eleitores que este mandado de prisão foi um equívoco da justiça e que é inocente na questão dos desvios dos royalties. Caso não consiga fazê-lo antes de assumir o posto, já verá sua baixa popularidade cair ainda mais. E mesmo que assuma, precisa mesmo provar isso para garantir sua liberdade.

Este mandado de prisão é algo tão marcante que, todos sabemos, caso estivesse ocorrido por volta de 80 dias atrás, Darci não estaria voltando ao Morro dos Ventos.

O segundo fato da semana foi a inauguração do Projeto S11D. Localizado no seio do território de Canaã dos Carajás, a nova usina terá capacidade de produção de 90 milhões de toneladas de minério de ferro por ano.

Isto é bom para Parauapebas caso consideremos apenas que o pátio de produtos e serviços para a mineração está mais concentrado aqui e que a mineradora poderá contratar as empresas que já estão consolidadas, e que possuem sede em Parauapebas. Algum benefício sempre haverá.

Porém se analisarmos o baixo custo anunciado da produção em Canaã dos Carajás, que chega a ser quase metade do custo da tonelada produzida nas minas de Parauapebas, e considerando também a possibilidade de uma redução na demanda do mercado internacional, onde a multinacional teria maior prioridade em produzir? Logicamente onde seu custo é menor.

A tecnologia e a inovação de produzir a seco e sem o uso de caminhões (custo reduzido especialmente em combustível, pneus e manutenção) nas minas do S11D poderá, dependendo da conjuntura econômica internacional, provocar uma redução na arrecadação de Parauapebas.

Os royalties no próximo mandato poderão não ser desviados, como suspeita a justiça, teriam sido nos primeiros mandatos de Darci Lermen, mas corre o risco de jamais serem os mesmos daqueles tempos.

Eldan de Lima Nascimento (Eldan Nato) - Formado em Letras - UFPA, Pós graduado em Política e Economia Mineral - UFPA, Técnico em Mineração Cefet/RN, Supervisor de Beneficiamento na Usina do Salobo

Um comentário:

  1. Ha informação que a PF vai voltar! de surpresa.

    ResponderExcluir