domingo, 22 de julho de 2012

A Força dos Prefeitos

Por Marcos Coimbra

O debate sobre os efeitos da eleição municipal na política nacional tem tomado um rumo mais realista. Velhas ideias equivocadas estão sendo aposentadas.

Ainda existem aqueles que insistem em enxergar a escolha de prefeitos e vereadores como uma preliminar da eleição presidencial. São os que acham que nosso sistema político é igual ao americano e pensam que elas são equivalentes a uma coisa que existe por lá, as midterm elections, que acontecem a meio caminho entre as eleições presidenciais - para renovar parte do Congresso e dois terços dos governos estaduais, e que costumam antecipar os sentimentos do eleitorado em relação à sucessão na Casa Branca. 
____________
Nota: em Parauapebas os candidatos do DARCI, envergonhados do desastroso governo municipal, querem federalizar as eleições, é como se fosse candidato a prefeito federal (rsrsrs) e a vereador federal.
A analogia não faz sentido e nossa experiência desde a redemocratização o demonstra. A vitória de nenhum de nossos presidentes decorreu do desempenho de seu partido nas eleições locais anteriores.

Isso vale no atacado e no varejo. Ser o campeão na quantidade de prefeitos não quer dizer nada na hora de contar os votos para presidente. Que o diga o PMDB, que conquista esse troféu a todo ano e que, quando resolveu ter candidato próprio, amargou derrotas acachapantes. Consciente de que de pouco adianta ter uma tonelada de prefeitos, desde 2002 se contenta com o papel de coadjuvante, fornecendo o vice a quem imagina que vai vencer (nem sempre acertando, mas com ótimo retorno).

Tampouco é importante, do ponto de vista eleitoral, conquistar as grandes cidades ou a maior de todas. Ganhar ou perder a prefeitura de São Paulo é fundamental para quem lá atua, mas, na política nacional, é puramente simbólico. Quem duvidar que se lembre de 1996: Celso Pitta se sagrou prefeito, Maluf teve uma espetacular vitória e nada mudou na vida política brasileira.

A maioria dos analistas se deu conta que as eleições locais são decisivas por outra razão: nelas, os partidos melhoram ou pioram suas possibilidades de eleger representantes no Legislativo. Muito especialmente, o número de deputados que mandam para a Câmara em Brasília.

O tamanho das bancadas é o primeiro critério que determina o acesso dos partidos aos cargos de comando do Legislativo, desde a Presidência do Senado e da Câmara, à chefia de suas comissões importantes. Parlamentares eleitos por legendas pequenas só chegam aos postos relevantes se tiverem muito prestígio pessoal – e o apoio das maiores.

O mesmo vale nas relações dos partidos com o Executivo. Nas coalizões governistas, os grandes ocupam ministérios “de ponta” – os que têm visibilidade e movimentam dinheiro. Aos menores, só resta indicar seus preferidos para cargos secundários. Foi assim em todos os governos desde Sarney.

Em outras palavras: o poder dos partidos aumenta exponencialmente se tiverem muitos deputados e senadores.

A grande maioria chega ao Parlamento em função de seus vínculos com a política municipal. Ou foram eles mesmos prefeitos - assim obtendo notoriedade e conceito -, ou contam com o apoio de lideranças locais. São raros os que podem prescindir desse ingrediente na conquista de um mandato.

Ter uma boa “prefeitama”, como se diz na linguagem coloquial da política mineira, é quase uma garantia de sucesso eleitoral. 

Os prefeitos, vereadores e cabos eleitorais são, para os eleitores, aqueles que orientam e informam um voto difícil. Como escolher, entre as centenas de candidatos a deputado, o melhor para a região, cidade, comunidade ou bairro? Se o cidadão não consegue identificá-lo sozinho, por que não ouvir a indicação de alguém em quem confia? 

Nem sempre dá certo, mas muitos acreditam que, assim, correm menos risco de errar na hora de votar.

Os atuais deputados e os que pretendem chegar à Câmara em 2014 sabem que, se ajudarem na eleição de prefeitos e vereadores, darão um passo decisivo para seu próprio sucesso daqui a dois anos. 

A eleição municipal é quase irrelevante para a sucessão presidencial, mas é fundamental para definir o balanço entre os partidos na legislatura seguinte. Seu impacto eleitoral direto é mínimo, mas tem amplas consequências políticas.

Um comentário:

  1. A exemplo do Miquinha, que no seu material de campanha, tem sua imagem junta a do Lula e Dilma, e não do Coutinho e Bel... Já penso o contrário Lindolfo: ele quer passar a imagem de que a Dilma que é a Presidente Municipal, e não Prefeita Federal (rsrs)

    ResponderExcluir